sexta-feira, 2 de abril de 2010

Gorduras da dieta e endometriose


Estudo belíssimo acaba de ser publicado (23 de março) na revista Human Reproduction. O estudo avaliou 70709 questionários de hábitos alimentares de mulheres com diagnóstico de endometriose para observar a relação de consumo de ácidos graxos na dieta e a presença desta doença. Os pesquisadores concluíram que aquelas que ingeriram maiores quantidades de alimentos ricos em ômega-3 tinham 22% menos chance de desenvolver endometriose, enquanto que as mulheres com dietas ricas em gordura trans tinham 48% mais risco. Além disso, o consumo de ácido graxo palmítico, saturado, rico em carnes e leite e derivados, também está diretamente associado com o aumento do risco de endometriose. E a conclusão dos autores já era esperado. A indução da inflamação sistêmica, especialmente pelas gorduras trans é responsável por estas associações. Nas pacientes com consumo baixo de ômega-3 e alto de gorduras saturadas e trans, foi observado aumento de citocinas inflamatórias, especialmente IL-6. E um ponto importante foi o efeito protetor conseguido pelo ácido graxo alfa-linolênico, que é da série ômega-3, porém é encontrado na linhaça e no óleo de canola, e que muito estudos só conseguem mostrar efeito quando este ácido graxo é transformado em EPA e este em DHA, ou quando se consome peixes ou suplementos de EPA e DHA. Boa notícia porque a linhaça é muito barata, de fácil acesso, especialmente para grande parte de nossa população que não tem hábito de consumo de frutos do mar 5x a 6x por semana. As fontes de gordura trans produzidas pela industria são os produtos que contem gordura hidrogenada, tipo biscoito recheado, pipoca de microondas, batata frita, chips, etc. As fontes de gordura trans encontradas naturalmente nos alimentos são .... (ah, acho que não vou responder para não estragar a enquete ao lado). Para ler o estudo na integra, clique aqui.

4 comentários:

Ana Flávia Máximo Nutrição disse...

Henrique,

Tem 1 trabalho publicado ano passado que relaciona gluten com endometriose. Eu comprei o trabalho completo, mas ainda não chegou.
Fica claro que a mulher com endometriose é inflamada e o w-3 entra como antiinflamatório.
abraço
Ana

Henrique F Soares disse...

Oi Ana, se quiser pode postar o endereço eletronico do artigo, se houver. Coloque também o endereço do seu blog. Bj

Ana Flávia Máximo Nutrição disse...

o endereço do meu blog é: anamaximonutricao.blospot.com
Abraço
Ana

Ana Flávia Máximo Nutrição disse...

Henrique,
Envo o link com o resumo do trabalho que te falei.
Abraço
Ana http://pesquisa.bvsalud.org/regional/resources/resources/mdl-19400413