terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Vitamina D pode aumentar risco cardiovascular

É verdade, é o que dizem os primeiros trabalhos publicados já em 2010. Como tudo que envolve a nutrição, mais uma vez aparece uma grande defesa a favor da alimentação e muito cuidado com a suplementação, infelizmente defendida por outros profissionais em detrimento da alimentação equilibrada e balanceada e hábitos de vida saudáveis.
Estudo pulicado já na revista de janeiro de 2010 do American Journal ok Kidney Disease mostra que a calcificaão das artérias, enrijecendo-as e aumentando a formação da placa aterosclerótica está relacionada a alguns fatores, sendo: hiperfosfatemia (tomar refrigerante ou bebidas tipo H2O2), produtos derivados de fosfato de cálcio (tomar suplemento de cálcio, consumir refrigerantes, não consumir peixes e ovos e não tomar sol), deficiência de inibidores da calcificação (deficiência de fibrinogênio quando o pacientes se encontra inflamado - dieta rica em óleo de milho ou girassol) e alteração na função das células musculares lisas, com formação da capa da placa aterosclerótica por estas células, que seriam estimuladas pela vitamina D (dificência dela ou excesso). Um outro trabalho de 2008 que confirma estes achados mostra que a vitamina D é transportada pelas lipoproteínas no sangue e depositada no interior da placa aterosclerótica, sendo ativada por monócitos e/ou macrófagos, induzindo a calcificação das artérias. Ou seja, tomar suplemento de vitamina D estando o paciente inflamado, com alta concentração de monocitos e macrófagos, mais a disfunção endotelial, é dar um tiro no pé.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Planta usada para chá pode virar 1º quimioterápico brasileiro

Uma planta usada tradicionalmente em chás medicinais e nas populares "garrafadas" (bebida que reúne várias ervas) está sendo testada no tratamento do câncer. Estudos iniciais desenvolvidos no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, em São Paulo, mostram que ela conseguiu estabilizar o quadro clínico de uma doente terminal e que também foi eficaz no alívio das dores.

Encontrada no Norte e no Nordeste do país, a avelós (Euphorbia tirucalli) produz uma seiva semelhante ao látex, que é muita tóxica e cáustica. Se cai nos olhos, pode cegar.

O primeiro passo dos pesquisadores foi então isolar apenas as substâncias benéficas da planta e transformá-las em uma pílula, chamada de AM10.

Se a eficácia da droga for comprovada nos próximos estudos, ela poderá se transformar no primeiro medicamento oncológico nacional.

Dieta para desintoxicar no dia de ano novo!!

Se vc abusar no reveillon, com comida e bebida, sugiro algumas medidas para o dia seguinte. A prioridade é o consumo de carboidratos para estimular função cerebral e hepática, e consumo de proteínas de fácil digestão, pouco alérgicas, com alto valor nutricional para estimular a função intestinal e renal. Você deverá aumentar bastante a hidratação e estimular os nutrientes e compostos bioativos de ação colagoga, colerética, diurética e antioxidante. Vamos reduzir as toxinas hepáticas, cerebrais, intestinais e renais. Alimentos como aveia e quinua, legumes e verduras todas, em especial pepino, batata doce, batata yacon são bem vindas, muita água de côco, sucos ricos em clorofila 2x ao dia, muito orégano, alho, cebola, salsa, hortelã, alcachofra, boldo, jurubeba e alecrim. Frutas como melancia, melão, maçã, mamão, kiwi, abacate também são bem vindos. Consumir ovo cozido ou pochê e linhaça. Nada de leite, trigo, centeio, carne vermelha e frango. Se tiver geléia real, tome em jejum. Nada industrializado que contenha aditivos quimicos, tipo conservantes, acidulantes, corantes, etc. Suco de uva orgânico ou de açaí também ajudam bastante. Se tiver, raspe um pouco de gengibre nos sucos. Se amanhecer com dor de cabeça, tome um café feito na hora, 1/2 hora depois do suco ou da geleia real.

Para destoxificar a alma, deixe as dúvidas, angústicas, traumas e decepções para trás, faça uma prece, erga a cabeça, dê um beijo e um abraço bem forte em quem vc ama, e feliz 2010.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Quanto de proteína consumir?

Estou fazendo a postagem baseado no comentário da Vanuza Freitas feito na postagem: "Comprovado!! PTN demais faz mal aos rins!!"

Infelizmente o ensino da graduação está completamente ultrapassado. Pouco importa se o nome que se dá é hiper, hipo ou normo. O que importa é qual a situação metabólica que o paciente está passando e se a quantidade e a qualidade das proteínas que ele está comendo são suficientes para atender a sua demanda metabólica, que pode ser de restrição, manutenção ou repleção proteica, muscular, etc. Exemplo: em uma dieta pobre em fontes de creatina, é preciso comer 1,1g de glicina por dia para conseguir sintetizar no corpo creatina. No geral a grande maioria das pessoas consegue manutenção do turn-over proteico com 0,8gPTN/Kg/dia ou 132mg de nitrogênio/Kg/dia, sendo 70 a 80% de alto valor biológico. (comprovação, clique aqui). Outro exemplo: se o corpo do meu cliente está precisando de maior quantidade de catecolaminas, como a adrenalina, eu tenho que prescrever mais fontes de tirosina e fenilalanina, independente da quantidade de proteína, importa o aminoácido (veja tabela dos aminoácidos precursores de algumas substâncias importantes do corpo, clicando aqui).

Aproveite a leitura e veja a nova classificação dos aminoácidos essenciais, não essenciais, condicionalmente essenciais e os precursores dos condicionalmente essenciais, clicando aqui.

Aos poucos vou tentando colocar estas idéias, que já estão apresentadas na literatura, na graduação e pós.

Sugestão: leiam mais sobre os PDCAAs, ou os scores que medem a digestibilidade, valor biológico e biodisponibilidade das proteínas.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Deus existe?

Conheço uma história desde que comecei a lecionar, que dizem ter acontecido em uma Universidade quando um professsor lançou um desafio para os alunos:

1 - Deus criou tudo que existe?
2 - Um aluno respondeu imediatamente: Sim, Ele criou.
3 - Se Deus criou tudo o que existe, então Deus criou o mal, já que o mal existe! E se concordamos que as nossas obras são o reflexo de nós próprios, então Deus é mau!
4 - Dizem que o jovem ficou calado perante o argumento do mestre que dava um sorriso de uma lado ao outro por ter provado que a fé era um mito.
5 - Ai outro estudante levantou a mão, pediu a palavra e o professor lhe concedeu.
6 - Professor, o frio existe?
7 - O professor olhou meio estranho e disse: Lógico que existe, ou vc nunca sentiu frio?
8 - O aluno respondeu mais ou menos assim: Na realidade prof., o frio não existe. Segundo as leis da Física, o que consideramos frio, na verdade é a ausência de calor. Todos os corpos ou objetos possuem ou transmitem energia; o calor é o que faz que os corpos tenham ou transmitam energia. Prof, o frio não existe. Nós criamos esta definição para descrever de que maneira nos sentimos quando não temos calor.
9 - E perguntou ainda mais. Professor, a escuridão existe?
10 - O professor respondeu que sim.
11 - Me perdoe professor, mas o senhor se engana. A escuridão, na realidade, é a ausência de luz. Através do prisma de Nichols, pode decompor-se a luz branca nas suas várias cores, com os seus diferentes comprimentos de onda. A escuridão, não! Se olharmos as cores do arco-iris, não veremos o preto ou o negro. A escuridão é uma definição utilizada pelo homem para descrever o que ocorre na ausência da luz.
12 - E o aluno agora perguntou ao professor: Professor, o mal existe?
13 - O professor incrédulo continuava a dizer: sim, basta ver as ruas, os assaltos, estupros, brigas, etc.
14 - E o aluno disse: O mal não existe, Senhor, ou pelo menos não existe por si mesmo. O mal é simplesmente a ausência do bem… Em conformidade com os casos anteriores, o mal é uma definição que o homem criou para descrever a ausência de Deus. Deus não criou o mal. O mal é o resultado da ausência de Deus no coração dos seres humanos.

Deus trouxe Jesus ao mundo para que te servisse de exemplo.

1 - Pai nosso que estais no Céu e em todos os lugares...
2 - Santificado seja o Vosso nome e aqueles que crem em ti...
3 - Venha a nós o Vosso reino e com ele os Vossos ensinamentos...
4 - Seja a feita a Vossa vontade de amar uns aos outro na Terra, como no Céu ou onde o meu olhar não pode enxergar mas minha fé pode sentir...
5 - O pão nosso de cada dia dái-nos hoje, porém mais do que o alimento físico, nos enche do alimento espiritual que cura as mazelas do mundo..
6 - Perdoai as nossas ofensas na medida em que perdoamos aqueles que nos ofendem, mas que saibamos perdoar sem exigir nada em troca, dando sempre o outro lado da face...
7 - Não nos deixa cair em tentação
8 - Livra-nos de todo o mal enchendo nossos corações de fé, perdão, humildade, gratidão e caridade, pois só assim alcançaremos e sentaremos ao lado do Pai.

Que assim seja!!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Rabanada!! Vale a pena?


Tenho perguntado sempre aos meus alunos qual o maior "pecado nutricional" do Natal, e muitas são as respostas. Pernil de porco e farofas são respostas bastante comuns, mas para mim, sem dúvida, o problema é a rabanada, principalmente a frita. Em valor calórico, um pedaço de rabanada pode se assemelhar a outras preparações, mas pensando com a visão funcional, a rabanada oferece: glúten (alergênico e inflamatório), amido refinado (alto índice glicêmico), ausência da maioria dos micronutrientes (perda de função metabólica), gordura saturada e trans (leite - hipercolesterolêmicas e inflamatórias), proteínas alergênicas e de dificil digestão (lactoglobulina e caseínas), lactose (fermentação e flatulências), sacarose (índice glicêmico indesejável e fermentável, além de disbiose intestinal e cárie), e acroleína e acrilamida (fritura). Infelizmente nesta delícia de preparação, só se salva a canela (hipoglicemiante) e o prazer de consumir com toda a família.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Comprovado!! PTN demais faz mal aos rins!!

É comum observar na população consumo superior ao recomendado de 1g/Kg/dia de proteína. Dietas hiperproteicas são interessantes se pensarmos em obesidade, mas podem trazer riscos para este ou outros grupos? Se formos atrás de grupos específicos, como pacientes Aidéticos, desnutridos, praticantes de musculação, entre outros, veremos uma ingestão que chega a 4g/Kg/dia. E uma pergunta sempre vem à tona. O risco de lesão renal existe já que as proteínas precisam ser filtradas nos rins e são potecialmente tóxicas pelo tipo, e não só pela quantidade? Trabalho que li mostra isso. O objetivo deste trabalho foi comparar o efeito de uma dieta hiperproteica (HP) com uma normoproteica (NP) sobre a hemodinâmica renal e fatores clínico-químicos selecionados. Havia uma dieta HP (2,4g/kg/d) e de uma dieta NP (1,2g/kg/d) para verificar o efeito sobre a taxa de filtração glomerular (avaliada com base de sinestrina – um análogo de clearance de insulina) e o fluxo do plasma renal (clearance para-amino-hipúrico). A fração de filtração e a resistência renal vascular foram calculadas. Vinte e quatro homens jovens saudáveis seguidos de dois protocolos de dieta por sete dias cada em uma metodologia transversal. Eles foram individualmente orientados por um nutricionista para atingir o consumo de proteína planejado por meio da seleção normal dos alimentos sob condições isocalóricas. A taxa de filtração glomerular (NP: 125 ± 5 mL/min; HP: 141 ± 8 mL/min; P < 0.001) e fração de filtração (NP: 23 ± 5%; HP: 28 ± 5%; P < 0.05) aumentaram significantemente com a dieta HP. O nitrogênio da uréia sanguínea, o ácido úrico sérico, o glucagon, a natriurese, a albumina urinária, e a excreção de uréia aumentaram significantemente com a dieta HP, mostrando que uma dieta HP em curto prazo promove maior perda de proteína na urina (xixi caro e um inicio de lesão renal), altera a hemodinâmica renal e a excreção renal de ácido úrico, sódio, e albumina.

Fator muito importante: lesão renal a curto prazo. O estudo durou 7 dias (problemas renais com 1 semana de consumo proteico excessivo). E nem foram avaliados os efeitos específicos do tipo de proteína dado, o que pode piorar o quadro.

Para saber mais: FRANK, H.; GRAF, J.; AMANN-GASSNER, U. et al. Effect of short-term high-protein compared with normal-protein diets on renal hemodynamics and associated variables in healthy young men. Am J Clin Nutr; 90: 1509-1516, 2009.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Leitinho da madrugada!!

Uma prática muito observada na alimentação das crianças, desde que começei a atender pacientes, é o uso do leite artificial na forma de mamadeira durante a madrugada. Muitas crianças mantém o hábito da amamentação e da fase oral, as vezes até 4 ou 5 anos de idade. Prática da qual eu não gosto muito por alguns fatores:

1 - Primeiro porque é leite de vaca, insulinêmico, indutor de diabetes tipo II na fase adulta quando dado nos 2 primeiros anos de vida sem amamentação associada. Além disso, leite no meio do sono promove uma alteração completa nos hormônios da madrugada. Há muitos trabalhos mostrando que esta prática induz à obesidade na fase adulta.

2 - Muitas destas mamadeiras são feitas com leite acrescido de sacarose (tipo Ninho 1+), quando não se adiciona farinha láctea, mucilon, e etc, todos abarrotados de sacarose, indutor de obesidade, insulinêmica e cariogênica.

3 - Altera também o sono dos pais.

4 - Na maioria das vezes é oferecido na forma de mamadeira, com risco de contaminação se não for bem higienizada.

Pois bem, como a grande maioria, meus filhos também se acostumaram com a mamadeira da madrugada. Mas no nosso caso, os proprios pediatras solicitaram que não houvesse a retirada até 1 ano de vida pois as crianças nascem com baixo peso e pequenas, e acordavam 2x na madrugada, cujo objetivo era realmente o consumo de nutrientes para estimular o crescimento e ganho de peso. Um fenomeno natural observado em geral em gêmeos. Claro que para minimizar vários dos problemas que relatei acima, sempre usei NAN HA, hipoalergênico, sem sacarose, com ômega-3, com taurina, etc. Mas passou 1 ano e os meninos continuaram com o hábito e agora que estão quase dentro do percentil 40º nas curvas de peso e crescimento, resolvi começar a tirar. Primeiro teste foi ontem, e utilizei chá de erva doce com capim cidreira (também conhecido com capim santo ou capim limão - atenção, não é erva cidreira). Coloquei um pouco de açúcar mascavo e aos poucos vou reduzindo até tirar todo (vou usar camomila e melissa também). Depois pretendo dar só água até não oferecer nada e eles acostumarem a dormir completo.

Claro que ontem fiquei quase 1 hora e meia acordado, porque sem o leite, eles aceitaram e gostaram do chá, mas não teve o efeito sonífero do leite.

Mas tudo vai dar certo. Que Deus nos ajude.

Em tempo: a dieta funcional parece estar começando a render frutos. Os meninos vão saltar de grau no colégio. Terminaram a turma 1 e vão direto para a turma 3. Avaliação da pedagoga e da psicóloga da creche. 1 ano e 9 meses - E ainda ajuda na economia familiar ;<)

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

NOVO PROGRAMA DE CÁLCULO DE DIETA

Pessoal, conheci este site da Fundação Universitária Iberoamericana (FUNIBER) e esta fundação está oferecendo um programa de cálculo de dieta para versão de avaliação por 30 dias. Após este período, se desejar ficar com o produto, deverá registrá-lo. Ainda não usei o programa por isso não posso recomendar. Se desejar baixar a versão de atualização, clique aqui.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

HDL e dieta

Estudar bioquimicamente o corpo é algo realmente fantástico. Estava eu fazendo uma procura sobre novos trabalhos que avaliem a capacidade de componentes nutricionais em modular o HDL, e encontrei uma nova enzima que ainda não conhecia, a PLTP (proteina de transferencia de fosfolipidios). Busquei e vi inumeros trabalhos mostrando que esta enzima está diretamente associada com aumento do risco cardiovascular, e fui ver porque. Lendo, acabei formando um novo pensamento sobre o metabolismo da HDL e agora tenho na cabeça que para modular geneticamente esta lipoproteína protetora, é preciso agir em 5 "frentes".

1ª - Estimular a sintese da HDL (modular os genes da Abca1 e apoA-1)
2ª - Estimular a maturação da HDL (genes da Lcat e PLTP)
3ª - Estimular o clearance ou recaptação da HDL (modular gene da SR-B1 e CETP)
4ª - Reduzir a oxidação das HDL
5ª - Aumentar a concentração da Paraoxonase-1 (PON-1) dentro das HDL

Meus cursos e aulas de doenças cardiovasculares para o ano de 2010 vão mirar nestas aspectos: nutrientes, compostos bioativos, hábitos de vida que favoreçam os 5 itens descritos. Show!!

Lupus, dieta e genética

Lupus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença autoimune que afeta toda a fisiologia corporal. Tem por característica principal além dos autoanticorpos e complexos imunitários, o processo inflamatório. Desde o ano 2000 tenho buscado na literatura fatores dietéticos que possam induzir ao lupus. Já encontrei excesso de gordura, excesso de proteina, falta de vitamina D, excesso de ômega-6, mas o mais comum é a presença da L-canavanina, um derivado de aminoácido. Só que tenho lido mais recentemente aspectos na modulação genética desta doença e deste "aminoácido" muito encontrado na alfafa. Associação de LES e alfafa foi primeiramente relatada em um voluntário que desenvolveu lúpus quando ingeriu sementes de alfafa para um estudo de hipercolesterolemia. Geneticamente, a L-canavanina pode ser trocada e substituir a L-arginina durante a síntese de proteínas pela enzima RNAt arginil sintetase e isso provoca alterações sistêmicas importantes. Estudos epidemiológicos sobre a relação entre a alfafa e LES são poucos. Do que tenho lido, a incorporação da canavanina pode ser mais eficiente na presença de inflamação ou outras condições que podem causar deficiência de arginina. A L-canavanina induz células à apoptose e proteínas derivadas da L-canavanina que foram traduzidas pela incorporação deste aminoácido no lugar da arginina se espalham pelo corpo, sofrem ubiquinitação via proteossomas se tornando um disruptor endócrino e antigênico, ou seja, altera produção de diversos hormonios no corpo, induz `a inflamação e supressão funcional imune. Me parece claro que a dieta precisa ser altamente antiinflamatória e livre de metais pesados, pois há muitos trabalhos mostrando também que cadmio e mercúrio exarcebam a doença lúpica. Vitamina D é o nutriente do momento para tratamento do paciente lúpico (ovo, peixe, fígado, alimentos enriquecidos - sol não dá para contar pois os raios UV desencadeiam a inflamação lúpica). Tem até alguns trabalhos mais simples mas que mostram uma tendência ao uso da bromelaína, enzima proteolítica do abacaxi.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

E ainda tem gente que usa e acredita!!

Entidade quer proibição de remédio para emagrecer nos EUA
Publicidade - Jornal Folha On line 04/12/2009 - 08h02

LISA RICHWINE
da Reuters, em Washington

O remédio para emagrecer Meridia, do laboratório Abbott, deveria ser proibido imediatamente devido aos riscos relacionados ao coração, disse ontem um grupo de defesa dos consumidores em petição enviada ao órgão regulador do governo dos Estados Unidos.

O grupo Public Citizen disse que resultados antecipados de um estudo internacional de larga escala chamado Scout aumentou as preocupações anteriores do grupo com relação aos eventuais problemas cardíacos causados pelo Meridia.

"O fato de que [o Meridia] aumentou o número e a porcentagem de eventos cardiovasculares [no estudo]... deve levar à remoção imediata do produto do mercado", disse o Public Citizen, grupo de direitos dos consumidores, em petição apresentada junto à agência responsável pelo controle de drogas e alimentos dos EUA (FDA, na sigla em inglês).

A FDA disse em novembro que descobertas preliminares do estudo Scout com 10 mil pacientes mostraram que 11,4% dos pacientes que tomaram Meridia morreram ou sofreram paradas cardíacas ou derrames.

O número foi de 10% para os pacientes que tomaram placebo.

A agência acrescentou à época que estava revendo seus dados, mas que era muito cedo para tirar conclusões. Uma porta-voz da FDA disse na quinta-feira que não poderia comentar a petição do grupo Public Citizen.

O Meridia, ou sibutramina, é um inibidor de apetite aprovado para tratar a obesidade em adultos. O medicamento pode causar efeitos colaterais desde dor de cabeça e constipação até pressão alta e aceleração do batimento cardíaco.

O porta-voz do laboratório Abbott Kurt Ebenhoch disse que o remédio é seguro quando usado como recomendado. O Meridia "não é recomendado ou aprovado para o uso em mais de 90 por cento dos pacientes que participaram do estudo Scout", disse ele.

RESPONDENDO AOS COMENTÁRIOS

1 - lICIA: E quando ela retirou a suplementação DE FERRO, melhorou esse cansaço.
Voce já ouviu falar nesse sintoma do ferro?

Excesso de ferro é prejudicial pois é um agente altamente oxidativo (produz radicais livres pela Reação de FENTON), que destrói membranas vasculares induzindo ao efeito da disfunção endotelial, como dificuldade na passagem de sangue. Além disso, a o oxidação de tecido cardíaco provoca alterações no bombeamento sanguineo, além da inflamação hepática. São situações típicas de pacientes que tem hemocromatose, doença onde há acúmulo de ferro no organismo. Portanto, a falta como o excesso de ferro levam sim à fadiga.


2 - Ana Paula:
2.1) O leite de soja tem lactoglobulina?
Nada de soja tem lactoglobulina, a não ser por contaminação cruzada, ou seja, foi feito um produto tipo extrato de soja e no local também se trabalhava com leite em pó, e parte do leite acaba se misturando ao leite de soja. Mesmo sem contaminação cruzada, leite de soja também tem fração proteica bastante alergênica.
2.2) É viável a suplementação de crisina para mulheres em menopausa com o objetivo de diminuir aromatase?
Nunca usei com pacientes minhas na menopausa, mas partindo do efeito fisiológico, com certeza. A ação da crisina parece ter mais efeito quando junto com piperina. Médicos usam inibidores da aromatase na forma medicamentosa para reduzir risco de cancer de mama em mulheres pos menopausadas.

3 - Lily Cabral:

Churrasco é indutor de câncer.


4 - Queria agradecer as mensagens de carinho e incentivo. Na verdade são vcs que ajudam a construir e manter o blog, e mais, ajudam a difundir a nutrição saudável.

ATO MÉDICO!!

Pessoal, no site do Senado Federal há uma enquete se vc deseja ou não que a profissão de medicina seja exercida exatamente como se encontra no projeto de lei 268/02, conhecido como ATO MÉDICO, que limita as demais profissões de saúde. Para votar e fazer pressão política, clique aqui.

obs: enquete é no canto direito (arrastando um pouco a barra de rolagem)

obs: o projeto não pode ser modificado. No paragrafo 2º artigo 4º o diagnostico nutricional está mantido (fiquem tranquilos). E no parágrafo 7º estão garantidas as atividades exclusivas dos nutricionistas, por exemplo prescrição e suplementação. O projeto foi aprovado assim na Camara (em 21 de outubro de 2009) e voltou para o Senado, portanto não deve sofrer modificações que possam altetar esses dispositivos, por isso a necessidade de manter a pressão política.

Quem quiser ler o PL aprovado na Camara na integra, divulgar, etc, clique aqui.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

ANIVERSÁRIO DE 1 ANO!!!

É com grande satisfação que anuncio o aniversário de 1 ano do blog. Em 25 de novembro de ano passado começei a postar e a contar o número de visitas, e hoje temos mais de 67 mil acessos, um número bastante interessante, sinal de que o blog deve estar contribuindo com o aprendizado de seus seguidores e visitantes.

Para comemorar, fiz uma aula especial de anemia e que posto aqui.

Meu muito obrigado, que Deus me dê disposição e tempo para que sigamos por mais 1 ano. Quero que um dia meus filhos possam ver este trabalho interessante de ensino a distância e compartilhamento da ciência da nutricão.

Forte abraço a todos.

HEnrique video

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Câncer no Brasil 2010

Pessoal, o último relatório do Ministério da Saúde sobre câncer no Brasil, com estimativas para 2010 já está disponível. Para baixar, clique aqui.

Importante: Das 5 formas mais prevalentes em homens e mulheres, todas são preveníveis e/ou tratáveis e/ou induzidos por componentes nutricionais: Prostata (licopeno, selenio, ômega-3, chá verde, churrasco, abacate), pulmão (vitamina C e A), boca, estômago e intestino (chá verde, sal, disbiose intestinal, constipação, temperatura dos alimentos e bebidas). Mama (linhaça, peixes, soja, chá verde, tocoferois), colo do útero, intestino, pulmão e estômago (idem).

Chá verde, linhaça e óleo de peixe

A revista Journal of Cardiovascular Pharmacology deste mês de novembro tráz 3 belas revisões sobre o uso da linhaça, o uso do óleo de peixe e o uso do chá verde. De quebra, ainda há uma pesquisa sobre a ação do ácido lipóico. No trabalho de linhaça (flaxseed) vc vai observar sobre a diferença entre o óleo e a semente de linhaça e seus vários componentes; no do óleo de peixe (fish oil) você poderá ver a recomendação atual para ingestão deste óleo; e no do chá verde (green tea) vc verá que ele realmente é efetivo para reduzir a oxidação da LDL e reduzir a progressão da placa aterosclerótica; no caso do trabalho do ácido lipóico (Alpha-lipoic Acid), o leitor poderá observar sua excelente capacidade antioxidante, com ação comprovada no retardo do envelhecimento dos vasos, tratamento do diabetes e da hipertensão arterial.

Para abrir a página da revista e ler os resumos destes trabalhos, clique aqui.

Boa leitura.

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Chá verde e pressão arterial

Ultimas palestras que ministrei em BH este fim de semana, houve a pergunta, que é corriqueira se chá verde aumenta a pressão arterial. A pergunta novamente deve ser feita de forma individual, não se chá verde aumenta a pressão, mas se chá verde aumenta a pressão de determinado paciente, porque existem pessoas mais ou menos sensíveis à presença de cafeína. É verdade, chá verde tem cafeina mas tem muito mais polifenóis. E são esses polinfenóis que tem se mostrado promissores nas doenças cardiovasculares, inclusive hipertensão. Trabalhos tem mostrado a capacidade da camelia sinensis em reduzir a ação do PAI-1 (inibidor do ativador do plasminogênio), o qeu favorece a ação do plasminogênio e reduz a ação do fibrinogênio, reduzindo a formação de fibrinas e portanto de coágulos, reduzindo viscosidade do sangue e reduzindo a pressão arterial. Há trabalhos mostrando também que o chá verde reduz as nefropatias em ratos hipertensos, assim como as catequinas (especialmente epigalocatequina 3 galato) e os polifenóis exercem atividade antioxidante potente para reduzir a disfunção endotelial, o que minimiza a liberação de angiotensina (potente vasoconstrictor), além de favorecer o relaxamento do endotélio por manter a integridade das membranas celulares. Parte dos mecanismos hipotensores também se dá por inibião da expressão do gene da caveolina-1 (CAV-1), um potente inibidor da enzima eNOS. Inibindo CAV-1, aumenta formação de oxido nitrico, potente vasodilatador. Detalhe: tenho lido também que chá verde é capaz de reduzir hipetrofia ventricular (aumento do coração).

Quer estudar a fundo e quanto prescrever? Dá uma lida:

Am J Hypertens. 2007 Dec;20(12):1321-8.
Wei Sheng Yan Jiu. 2008 Jan;37(1):43-6.
J Nutr. 2008 Sep;138(9):1596-601.
J Nutr. 2009 Jan;139(1):96-100. Epub 2008 Dec 3.
Blood Coagul Fibrinolysis. 2009 Aug 26. [Epub ahead of print]

W-3, colesterol e obesidade

A ação dos ácidos graxos ômega-3 para redução dos triglicerídios ou triacilgliceróis tem sido vastamente estudada, e seu papel na redução da formação das VLDL, reduzindo a circulação das partículas ricas em TAG provenientes do fígado já está bem elucidada. Agora tenho lido sobre possíveis efeitos dos ômega-3 na redução do colesterol, porque alguns pacientes conseguem reduzir o colesterol com ômega-3, o que não é tão comum. Parte da explicação vem da atuação dos w-3 na LPL. A LPL é a lipase lipoproteica, enzima presente nas membranas endoteliais, secretadas por células musculares lisas e macrófagos e que parece exercer a função de promover a entrega do colesterol das LDL para as células endoteliais, e portanto possivelmente para a formação de uma placa de ateroma. Tenho lido que os ácidos graxos saturados podem estimular a LPL, enquanto os w-3 reduzem a atividade desta enzima, reduzindo a entrega do colesterol para a placa de ateroma. Além disso, se contarmos que são os macrófagos que captam a LDL para virar células espumosas e formar o núcleo da placa, os w-3 reduziriam a expressão das LDL nos macrófagos, portanto menos LDL e menos placa. Posso inclusive imaginar que como o tecido adiposo inflamado contém muitos macrófagos infiltrados entre os adipócitos, eles teriam menor capacidade de atrair colesterol e TAG para os adipócitos com os w-3, portanto, reduziria a hipertrofia de adipócitos, ajudando a tratar também a obesidade. Já há na literatura também que dos w-3, o DHA (frutos do mar) tem forte capacidade para reduzir a expressão de moléculas de adesão, VCAM e ICAM, reduzindo a formação da placa, além de reduzir a entrega de monócitos no tecido adiposo, reduzindo a chance de inflamação visceral.

Para ler uma boa revisão sobre as funcões dos ômega-3, publicada em 2008, basta clicar aqui.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Medicamento mais barato para nutricionistas!!

O CRN-1 firmou convênio com a Ligmed e agora você nutricionista pode comprar medicamentos com descontos especiais.

Para aderir a esse convênio, basta ligar na farmácia Ligmed quando for efetuar a sua primeira compra e fornecer o seu número de inscrição como nutricionista. Na segunda compra o seu cadastro já constará do sistema. Mas fique atento: antes de confirmar o seu pedido, verifique o valor da taxa de entrega.

A Ligmed conta com uma loja física em Brasília na W3 Sul, Qd. 513, Bl. A, Lj. 41, fone (61) 4002-4400, e em Goiânia na Av. T-2, n. 1820, St. Bueno e na R. 9-A, 121, St. Aeroporto, fone (62) 3239-8646. Além da entrega em domicílio, a Ligmed disponibiliza um farmacêutico que oferece pronto atendimento em horário integral de funcionamento da loja.

Informa o CRN-1.

Você tem uma alimentação saudável?

O Ministério da Saúde do Brasil criou um pequeno questionário de múltiplas escolhas em que vc pode responder on line e ao final observar o resultado sobre seus hábitos alimentares. Para responder, clique aqui.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Vitamina D e problemas respiratórios


Costumo dizer que 2008 foi o ano da vitamina D; desde então não param de surgir novas pesquisas e trabalhos cientificos mostrando a enorme importância deste nutriente. Mais recentemente tenho lido muito sobre estimulante do sistema imune, prevenção de câncer (cólon, fígado) com vitamina D (ela altera a expressão de uma série de genes, podendo estimular genes supressores e silenciar oncogenes) e ontem li dois trabalhos sobre doenças respiratórias. Diversos são os fatores que favorecem o desenvolvimento de doenças como asma, bronquite: privação de sono, estresse mental, excesso de treinamento físico, fadiga, hipotireoidismo, fadiga adrenal, disbiose intestinal , presença na dieta de lectinas, gluten, e a deficiência de vitamina D. Importante salientar que a vitamina D é formada na pele por ação dos raios UV em cima do colesterol encontrado nas membranas das células epidérmicas, por isso a importância do consumo e produção de colesterol, além da necessidade de tomar 15 a 20 minutos de sol diariamente com áreas expostas. Além disso, para que a vitamina D funcione, precisa ser hidroxilada primeiro no fígado (se o fígado estiver com esteatose por exemplo pode ter dificuldade neste processo), e depois novamente hidroxilada nos rins (enzima alfa 1 hidroxilase), órgão que também precisa estar funcionando em nível máximo para garantir a ativação da vitamina D, ou seja, dieta rica em alimentos diureticos, baixo consumo de fontes de sódio, não exagerar nas fontes proteicas. A deficiência de vitamina D tem se mostrado muito presente no Brasileiro, em Congresso recente de pediatras ouvi a recomendação de suplementação de vitamina D para crianças nos 2 primeiros anos de vida, mesmo com exposição ao sol. Talvez não precisemos de tanto, mas consumo de peixes, ovos, fígado, produtos enriquecidos com vitamina D, é fundamental.

Para ler mais: Vitamina D e doença pulmonar crônica

Vitamina D e saúde respiratória

terça-feira, 17 de novembro de 2009

Leite de vaca reduz a pressão?!!

Aproveitando uma resposta que dei para um colega que tem acompanhado meus cursos, resolvi fazer esta postagem. Muito trabalhos recentes tem tentado fazer a correlação do consumo de leite de vaca com hipertensão. O leite tem mostrado efeito em alguns casos em virtude de 4 fatores: o primeiro é a presença de triptofano, indutor de serotonina, relaxante, sacietógena, reparadora do eixo H/H/A, regulador da pressão. O segundo é a presença dos glicomacropeptídios e proteínas do soro, melhorando a disbiose intestinal e regulando a produção de hormônios intestinais (CCK e GLP-1). Mas o que mais se tem pesquisado é a presença do cálcio como agente antihipertensivo
por estimular a calmodulina, necessária no metabolismo do óxido nítrico, excelente vasodilatador e mais atualmente os lactotripeptidios. Os lactotripeptídios são conhecidos como VPP (Valina-Prolina-Prolina)e IPP (Isoleucina-Prolina-Prolina) e parecem reduzir a ação da ECA (enzima de conversão de angiotensina), estimuladora de angio II e aldosterona. Entretanto os estudos ainda são muito inconclusivos, e poucos em seres humanos. Particularmente eu optaria pelas proteínas do soro do leite (NAN HA, Whey Protein, entre outros, que apresetam beneficios adicionais e menos incovenientes do leite integral). Quer dar uma olhada em uma metaanálise sobre os lactotripeptídios, clique aqui.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Leite gera enxaqueca!!



O aminoácido glutamato é o principal neurotransmissor excitatório do SNC de mamíferos e participa de funções importantes como cognição, memória, aprendizagem e plasticidade neuronal. Porém, excessiva estimulação dos receptores glutamatérgicos pode resultar em morte celular, processo este denominado excitotoxicidade e que está associado à processos neurodegenerativos. A remoção do glutamato da fenda sináptica, que ocorre através de transportadores dependentes de sódio de alta afinidade, localizados principalmente nos astrócitos, é o principal mecanismo modulatório das ações glutamatérgicas e responsável pela manutenção de concentrações extracelulares abaixo dos níveis neurotóxicos. O Ácido quinolínico (AQ), um agonista NMDA, é uma potente neurotoxina endógena, cujo acúmulo no cérebro parece estar envolvido na etiopatologia das convulsões. o AQ estimula o sistema glutamaérgico, levando a situações de excitação e quem sabe a enxaquecas. Digo por isso por uma aluna que me relatou estes dias ter enxaqueca grave todas as vezes que bebe leite. A relação que ainda não está 100% elucidada, parece estar relacionada ao triptofano, aminoácido presenta no leite, que por ação da indoleamina dioxigenase e outras enzimas subsequenciais, produz o ácido quinolínico. Veja como o cérebro é impressionante e as pessoas são muito diferentes entre si, pois o mesmo triptofano do leite pode dar origem à serotonina e melatonina (enzima triptofano hidroxilase), relaxantes e inibidores cerebrais. Isto mais uma vez vem mostrar que dietas precisam ser individualizadas. O que vale para um, não vale para outro.

Você conhece o hidroxitirosol?


Tenho lido trabalhos científicos que mostram que o hidroxitirosol é um fitoquímico do grupo dos ácidos fenólicos com poderosas propriedades antioxidantes presentes de forma natural no azeite, e junto com o oleocantal, são os responsáveis pelo poder antioxidante e sabor amargo que caracteriza o azeite extra virgem.

Bioquimicamente, o hidroxitirosol é formado a partir da oleuropeína que por ação das enzimas b-glicosidases, que retiram a molécula da glicose da estrutura, formam o ácido elenólico que se subdivide em tirosol e hidroxitirosol. Esta ultima substância também está presente de forma natural em alimentos como o pescado. Mais atualmente li um trabalho que mostra o vinho tinto também tem esta subtãncia, e mais impressionante é que o etanol pode estimular o corpo a formar o hidroxitirosol. Ainda não discutido é a dosagem e em que circunstâncias metabólicas esta substância poderia ser produzida pelo corpo, mas na minha visão já acredito que a microbiota possa influenciar pois as enzimas glicosidades estão presentes no intestino delgado, cuja função é determinada pela participação dos lactobacilos.

Do que tenho lido as atividades mais preconizadas para o hidroxitirosol são inibição na formação de peroxinitrito, aumentar a atividade da glutationa peroxidase, quelação de metais pesados e proteção da LDL da oxidação.

Mais estudos prometem.

obs: se desejar ver a figura com mais detalhes, é só clicar em cima dela.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Obesos correm mais risco de ter tumor agressivo de próstata

Homens obesos têm mais risco de apresentar tumores agressivos de próstata e o dobro de chances de sofrer reincidência desse tipo de câncer, revela um estudo apresentado ontem pelo urologista americano Stephen Freedland no Congresso Brasileiro de Urologia, que acontece em Goiânia (GO).

Segundo Freedland, os obesos apresentam pelo menos quatro fatores de risco que levam a uma maior agressividade do tumor: diluição do nível de PSA (conforme o IMC [índice de massa corpórea] aumenta, diminui o PSA), aumento do hormônio feminino (estrógeno), crescimento da próstata associado à dificuldade de fazer a biópsia e aumento na produção de uma substância relacionada à insulina (IGF-1).

O médico defendeu a necessidade de se criar um índice de PSA (antígeno prostático específico, da sigla em inglês) ajustável ao IMC. "O obeso tem um volume de sangue maior e produz a mesma quantidade de PSA de uma pessoa normal. Então, o PSA fica diluído, com valor baixo, o que mascara o diagnóstico de câncer. Por isso, perdemos muitos casos iniciais", disse à Folha Freedland, professor e pesquisador do Centro de Próstata da Duke University (EUA).

O urologista Marcos Tobias, professor da Faculdade de Medicina do ABC e chefe do serviço de urologia do IBCC (Instituto Brasileiro de Controle do Câncer), afirma que, para compensar essa diluição, o PSA de obesos deve ser 30% inferior ao de homens com peso normal. Hoje, todos os homens com PSA superior a 2,5 nanogramas por mililitro têm indicação para fazer biópsia.

Tobias explica que as hipóteses que atribuem o surgimento do tumor em obesos a razões hormonais ainda são controversas. "Há uma série de teorias envolvendo hormônios. Algumas dizem que a gordura transforma a testosterona [hormônio masculino] em estrógeno [feminino], o que, em tese, protegeria os homens de tumores pouco agressivos. Ao mesmo tempo, aumenta os de mais agressividade, que não dependem de hormônios", diz.

Para Freedland, essa relação entre obesidade e câncer de próstata deve ser um incentivo a mais para que os homens percam peso, pratiquem exercícios físicos e adotem uma dieta alimentar mais saudável. O exame de PSA é recomendado para homens com mais de 40 anos que tenham histórico familiar e para todos com mais de 45 anos de idade.


Fonte da informação: 09/11/2009 - 10h02 - CLÁUDIA COLLUCCI da Folha de S.Paulo

domingo, 8 de novembro de 2009

Pré e Probióticos contra o excesso de peso e diabetes


As fibras em geral são conhecidas pelo seu efeito mecânico de produzir saciedade pelo preenchimento do estômago, assim como pela menor absorção de gordura via intestinal e consequente perda nas fezes. Entretanto, os trabalhos mais atuais estão vinculando as fibras aos seus efeitos metabólicos para redução de gordura corporal. Este trabalho de que falarei agora observou o efeito de fibras prebióticas, ou seja, que podem sofrer fermentação pelas bactérias probióticas. Estas fibras, são especialmente os frutooligossacarídios (FOS), os galactooligossacarídios (GOS), a inulina, o amido resistente e a polidextrose. Nesta publicação de 2009, o objetivo era de examinar os efeitos da suplementação de prebióticos sobre a saciedade e sobre os hormônios produzidos no intestino. Um total de 10 adultos saudáveis (5 homens e 5 mulheres) foram aleatoriamente divididos em 2 grupos que receberam cada 16g de prebióticos (teste) ou 16 g de maltodextrina (placebo) / dia por duas semanas. Ficou demonstrado que o tratamento com prebióticos aumentou a excreção de hidrogênio pela respiração (um marcador de fermentação de microbiota intestinal já que a fermentação de bactérias probioticas produz ácidos graxos de cadeia curta, hidrogênio - H2, metano - CH3 e dióxido de carbono - CO2) em 3-vezes e diminuiu as taxas de fome. Os prebióticos aumentaram o GLP-1 (peptidio semelhante ao glucagon) e PYY (peptidio YY), enquanto as respostas da glicose do plasma pós-prandial diminuíram. Esta redução com certeza pelo efeito de estimulo à liberação de insulina que o GLP-1 provoca nas células beta do pâncreas e os 2 hormônios são redutores da liberação de NPY no cérebro, provocando saciedade. Fibras prebióticas podem ser encontradas em alho, cebola, folhas verde escuras, brocolis, repolho, banana, tomate, batata, mel, entre outros.

Importante: é preciso ter bactérias probióticas no intestino para que esses efeitos possam acontecer, e a mastigação precisa ser lenta para que haja tempo suficiente para produção dos hormônios citados.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Soja protege contra câncer.

Esta frase precisa ser ponderada. Estou terminando um artigo sobre nutrição e doenças da próstata a ser publicado no fim do ano ou começo do ano que vem, e um dos alimentos muito estudados nos ultimos anos na questão preventiva e tratativa deste tumor, é soja. Existe um trabalho de 2006 que a dieta a base de soja reduziu o antígeno prostático (PSA) mas não reduziu testosterona, ou seja, a dosagem do antigenp prostático é um marcador mas não de alta sensibilidade/especificidade pois se a testosterona continua alta, ela pode virar dihidrotestosterona (DHT) e induzir ao câncer. Vários trabalhos também tem mostrado que a genisteína, principal isoflavona encontrada na soja, pode ajudar na prevenção e tratamento por agir estimulando genes supressores do câncer de prostata. Os relatos mais atuais mostram que o gene BTG3(gene 3 de translocação de célula B) suprime o câncer de prostata, porem ele tende a estar silenciado em pacientes com esta patologia em virtude da hipermetilação. A genisteína parece reduzir a hipermetilação deste gene e ativar a modificação das histonas, ativando o gene BTG3, supressor do tumor. Mas é importante dizer que os trabalhos não são categóricos em dizer que consumir soja reduz câncer, em virtude do potencial estrogênico da soja, e o que tenho observado mais é a indicação da genisteína isolada ou do consumo habitual de soja, desde a infância, preferencialmente de soja fermentada (ex: tofu) para garantir as isoflavonas na forma aglicada, ou seja, sem estarem ligadas `a moléculas de açúcar (o que também aumenta indicação de não consumir produtos de soja que tenham adição de açúcar).

Vale dizer também que a soja não transgência tem mais isoflavonas que a transgênica. Para ver os valores, clique aqui.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Curso gratuito!

Queria reiterar o convite para o 1º módulo do curso de obesidade que vou ministrar no dia 13 de novembro para profissionais já formados. O ingresso é um brinquedo novo, mesmo que de 1,99. Importante será ajudarmos no Natal aos que não podem comprar. A inscrição pode se feita entrando em contato com: cientificoessencial@yahoo.com.br ou cientifico@essencialdf.com

Síndrome de Gilbert e LDL

Minha colega Glaucia fez um comentário na postagem anterior sobre esse tema. Realmente tenho lido algumas coisas desse tema pois pacientes com Síndrome de Gilbert (SG) fazem parte de um grupo muito interessante. A sindrome de Gilbert é caracterizada por apresentar elevações nas concentrações de bilirrubina, que é pigmento da bile, ou seja, existe ligeiro aumento das concentraçõs de bile na corrente sanguinea (icterícia)). Em geral, a bilirrubina que mais aumenta é a indireta ou a não conjugada. Isto ocorre pela incapacidade de conjugação da bile que é feita com o ácido glicurônico, geneticamente reduzido em paciente com a Sindrome, ou reduzida por efeitos ambientais, como jejum prolongado, exercícios físicos extenuantes, menstruação ou após a utilização de alguns medicamentos. O ácido glicurônico é formado bioquimicamente na via das pentose-fosfato, que por sua vez é estimulado pelos carboidratos, especialmente glicose e frutose. Além disso, são fundamentais neste processo as vitaminas do complexo B. Um aspecto importante dos paciente com a SG é que eles apresentam baixos niveis de LDL, e isto ocorre segundo a literatura pela baixissima capacidade de oxidação das membranas destas particulas, o que faz com que estes pacientes tenham baixo risco cardiovascular. Há dois trabalhos do ano passado que confirmam bem isso. A oxidação da LDL se dá em 3 fases e a 3º fase é chamada de fase Lag (lê-se leg). Nesta fase, a oxidação depende da presença de antioxidantes lipossolúveis, especialmente vitamina E na particula e da ação da enzimas antioxidantes. E é aqui que aparece parte da explicação para os baixos niveis de LDL e altos niveis de HDL em pacientes com SG. Como a bilirrubina não é conjugada e ela vem da hemólise (destruição das hemácias no sangue), existe um aumento na liberação do ferro da hemoglobina presente nas hemácias, o que força o corpo a produzir maior quantidade de enzimas antioxidantes para prevenir a oxidação exercida pela ferro na reação de Fenton. Esse aumento no aporte antioxidante reduziria também a oxidação da LDL, não só por ação do ferro mas inibindo também a oxidação pelo cobre (reação de haber-weiss). LDL quando não está oxidada, é rapidamente retirada da corrente sanguine e seus níveis no sangue reduzem. O que não posso afirmar é se pelos niveis muito baixos de LDL nestes pacientes, eles apresentariam maior risco de câncer. Ainda não li nada a respeito mas como nutricionista, diria que é bom ficar atento.

Artigos citados é só clicar:
Primeiro
Segundo

terça-feira, 27 de outubro de 2009

LDL faz bem!!

Mais uma vez venho fazer esta afirmação, e não estou sozinho nela. Tenho feito buscas sistemáticas na literatura por ser um assunto que gosto muito e que envolve milhões de pessoas. Um trabalho de 2007 por exemplo mostrou que LDL muito baixo aumenta o risco de sepse, febre e canceres hematológicos. MAs este foi apenas um artigo, mas o mais convincente na literatura é uma metaanálise que observou 23 estudos de pessoas em uso de estatinas. Estatinas fazem parte da classe dos medicamentos para tratamento da hipercolesterolemia por inibir a enzima hepática HMG CoA redutase, mas seus efeitos colaterais sem sido vastamente estudados, mas infelizmente por motivos conhecidos, não são divulgados. Neste trabalho que cito, fica clara a relação entre os níveis muito baixos de LDL e câncer, por alteração de enzimas hepáticas, ou seja, pessoas que tem LDL muito baixo podem apresentar redução de fatores protetores contra câncer. Um trabalho mais novo deste ano, também mostra isso, mas em pacientes diabéticos com LDL muito baixo e com alto risco de câncer. Minha visão atual, o problema é o excesso de LDL na circulação, o tempo que estas partículas permanecem ns circulação, o quanto são modificadas na sua estrutura de membrana, e no conteúdo interno. Nuticionalmente podemos modular todos esses aspectos. Quem tem acompanhado os cursos que ministro observa bem estes detalhes. Clicando aqui vc observa outra postagem sobre LDL e câncer.

domingo, 25 de outubro de 2009

PROVAS DE CONCURSOS!!


Está pensando em estudar para concursos ou mesmo fazer provas de graduação? Esse link pode lhe ajudar pois disponibiliza uma série de provas de concursos já realizados. Importante: todas as provas vem com gabarito.

Bons estudos.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Repositor hidroeletrolítico


Queria compartilhar um repositor hidroeletrolítico que tenho indicado há algum tempo com bons resultados. Chama-se SUUM (existem outras marcas semelhantes ou idênticas). A vantagem que vejo neste tipo de repositor é pela facilidade, por vir em pastilhas, que se dissolvem facilmente na água, sendo portáteis e de fácil transporte em mochilas, bolsas, etc. Além disso, a possui vitaminas do complexo B fundamentais para manter a via glicolítica e o metabolismo energético como um todo, inclusive para lipólise. Um dos pontos importantes é a presença do magnésio fundamental para contração muscular e metabolismo cardíaco e cerebral (durante e após atividade). A desvatagem para reposição é que é isento de carbooidratos, portanto se vc precisa repor o glicogênio, precisa arranjar outra fonte. MAs se pretende manter a lipolise ativa por um tempo até começar a fazer a reposição energética, dá para usá-lo. Importante também que ele apresenta baixa concentração de cloro.

Cada pastilha:

378,0 mg de sódio

50,0 mg de potássio

65,0 mg de magnésio

36,0 mg de vitamina C

4,0 mg de vitamina B5

1,0 mg de vitamina B6

1,90 mcg de vitamina B12

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Como baixar o ácido úrico??


Ácido úrico elevado no corpo pode levar à gota. Existem 2 formas principais de produção de ácido úrico no corpo. Ou ele criado/transformado a partir das purinas, ou ele é criado no processo de isquemia/reperfusão. Vou abordar o processo hepático. No fígado, as purinas, precisam ser destoxificadas, ou seja, precisam ser transformadas em um composto mais sólúvel e que o corpo tenha vias metabólicas para sua eliminação. Este composto é o ácido úrico. Neste processo hepático, as purinas como todos os compostos participam de 2 fases no processo de destoxificação. Na fase 1 está a enzima xantina desidrogenase, que é ativada e vira xantina oxidase (XO), que converte purinas em ácido úrico. Portanto, estimular esta enzima aumenta ácido úrico, e reduzir ação desta enzima, reduz a produção de ácido úrico. E é isto que tenho lido ultimamente, compostos com capacidade de agir sobre a XO. Tenho visto na literatura, por exemplo, em relação a fitoterápicos, as plantas/flores Koelreuteria henryi, Erythrina stricta Roxb, Lonicera hypoglauca, Selaginella labordei (temos várias espécies brasileiras de selaginela, essa que encontrei com ação na XO parece que não temos na flora brasileira) e Pyrenacantha staudtii (no caso desta ultima, os compostos presentes com maior potencial de ação sobre XO são os glucopiranosídeos, beta-sitosterol e taraxerol). Um trabalho de revisão bem legal do J Nat Prod deste ano, mostra também ação de luteolina (vegetais de tom mais roxo e preto), quercetina (casca das frutas e hortaliças), apigenina e mirecitina (outros flavonóides com poder um pouco mais baixo para o ácido úrico mas maravilhosos para inibir câncer de ovário, por exemplo - encontramos em chás, uvas ou vinho tinto, maçãs, alfaces, couves, mirtilo, laranjas, aipo e tomate) e silibinina (consituinte derivado da silimarina, presente no cardo mariano. Achei muito interessante um trabalho que li também sobre o extrato aquoso de uma larva, muito comum na lavoura brasileira, que se chama Pieris brassicae larvae, e os autores relatam ser a primeira descoberta sobre um inseto/animal e não uma planta com capacidade de produzir vários compostos fenólicos, com estruturas muito complexas, que eles mesmos desconhecem, mas que se mostraram inibidoras da XO (trabalho publicado no J Agric Food Chem deste ano, que é de Portugal - aproveito, um abraço ao amigo Pedro Bastos - fenômeno da nutrição). Belos trabalhos para melhorar nosso arsenal contra a produção excessiva de ácido úrico. Um abraço.

sábado, 17 de outubro de 2009

Consensos e manuais

Pessoal, saiu o primeiro consenso brasileiro para o tratamento do câncer conforme eu havia antecipado aqui no dia 29/9. Para obtê-lo clique aqui.

Além disso, estou disponibilizando o último manual (2006) para tratamento da obesidade do Ministério da Saúde. Para obtê-lo, clique aqui.

Não sou grande fã de manuais pois na minha visão não existem regras para se tratar um ser humano, mas em muitos casos, eles podem sugerir um direcionamento.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

NO DIA DO PROFESSOR, UMA POSTAGEM SOBRE MEMÓRIA!



Eu poderia abordar vários assuntos no dia de hoje ou talvez não escrever nada, apenas usar o dia para descansar. Mas meu pensamento é contrário a isso, quanto mais folga tenho, mais trabalho. Acho que é essa a vida do educador. E como professor, preciso de muita memória. Tanto a memória quanto a cognição estão ligadas ao hipocampo, uma região do cérebro que pode sofrer atrofia por diminuição da neurogênese (formação de neurônios), redução de fatores neurotróficos, estresse oxidativo e disfunção e morte das mitocondrias. Para cada uma destas funções há inúmeros nutrientes, poderia eu ficar horas escrevendo, mas quero chamar atenção para uns trabalhos recentes e substâncias pouco difundidas.

Uma delas é o ácido siálico, substância presente apenas no leite materno ou leite de mamíferos (colostro) ou na forma de suplementação. O ácido siálico leva à formação dos ácidos N-acetylneuraminico e N-glicolilneuraminico, estimulantes de genes reponsáveis pelo aprendizado e memória.
Outro nutriente é o ácido lipóico, importante na restauração de enzimas mitocondriais bem como no processo de geração de energia (piruvato - acetilcoa) nas células cerebrais. Muito trabalhos tem mostrado também que o ácido lipóico é quem regenera a glutationa e as vitaminas C e E, aumentando o potencial antioxidante do cérebro, mantendo íntegras as células neuronais do hipocampo. Vale dizer que o cérebro produz altissimo nível de estresse oxidativo pois consome cerca de 20% de todo oxigênio captado pelo ser humano. Ácido lipóico também reduz a presença de arsênico no cérebro, metal tóxico e deletério da memória. Não há bons artigos no mundo sobre fontes alimentares de ácido lipoico, sabe-se parcialmente que a cenoura, brócolis, tomate e espinafre são excelentes fontes, estando presente em vegetais de uma forma geral. Também trabalho muito com suplementação.
Outro nutriente que gostaria de abordar é a rutina. Rutina é um flavonoide muito comum em casca de frutas e há uns trabalhos deste ano mostrando que ela é capaz de aumentar a sinapse via fatores neurotróficos, além de inibir em 20 dias a redução no número de neurônios piramidais do hipocampo, redução esta que é induzida pela susbtância trimetiltina. Estas ações provocam melhora da memória.
E por ultimo, um trabalho de revisão também deste ano mostrando que suco de uva, frutas vermelhas, azuis, pretas e roxas (berrys) mais as castanhas, nozes e amêndoas, são capazes de melhorar a sinalização neuronal, reduzindo a perda da memória natural da idade avançada, pelo seu alto potencial antioxidante.

Acho que era isso. Será que esqueci alguma coisa (hehehehahaha...)????

Forte abraço a todos.

Para quem quiser mais detalhes:

J Nutr;139(9):1813S-7S, 2009.
Cell Mol Neurobiol;29(4):523-31, 2009.
Toxicol Pathol 2004; 32; 527.
AJCN; 85: (2), 561-569, 2007.
Annu Rev Nutr;29:177-222, 2009.

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Vantagens e desvantagens de comer batata!!

Quando me refiro a comer batata (título) estou me dirigindo à batata inglesa, ainda que existam inumeras outras variedades, tipo batata doce, baroa, vermelha, yacon, entre outras. A batata é um tubérculo reverenciado pelo alto conteúdo de amido, carboidrato importante para geração de energia. Entretanto, a depender da forma de preparo, cozida é o mais tradicional, sua digestão é muito facilitada, provocando aumento no indice glicêmico, ou seja, uma chegada muito rápida de glicose na corrente sanguinea, e por consequencia no pâncreas, levando à descargas insulinêmicas, portanto, aumentando o risco de hipertrigliceridemia e obesidade. Ou seja, interessante comer batata cozida após um período ativo, e não depois de ter ficado sentado no computador por 3 ou 4 horas. Outro aspecto importante é que a batata é fonte de lítio, oligoelemento fundamental para prevenção e tratamento da depressão. Cozida no vapor, mantém boa quantidade de vitamina C presente na sua polpa. Um aspecto menos divulgado da batata é a ação das suas proteínas. Vejo alguns colegas falarem da presença da patatina, porém o que encontro na literatura deste ano é a presença das remorinas (remorin), proteína presente na batata que ajuda a reconstituir membranas celulares humanas e tem altissima atividade antimicrobiana. Pelo contrário, há uns trabalhos de 2001 e 2002 que mostram que a patatina (também chamada de SOl T1) pode induzir a reações alérgicas mediadas por IgE, em crianças. Assim como boa parte dos vegetais, batata tem logo abaixo da sua casca mais grossa, boa quantidade de quercitina, flavonóide de altissimo poder antioxidante e antiinflamatório, relacionado por exemplo a inibição de câncer e melhora da circulação sanguinea e linfática.

Uma desvantagem importante é que, ano sim, ano não, a batata está sempre entre os 5 vegetais com maior quantidade de agrotóxicos, o que me faz indicar a preferencia para uso da batata orgânica. Quando não possível, criar o rodízio de batatas, tipo uma semana a inglesa, na outra a doce, na outra inhame, na outra mandioca, e assim por diante. Outro problema grave é que as batatas quando fritas ou assadas em altas temperaturas(tipo chips por exemplo), formam dentre si a acrilamida, potente indutor de inflamação e câncer. Há um trabalho muito legal deste ano publicado no American Journal of Clinical nutrition mostrando que o consumo crônico desta forma de preparo de batata aumenta o envelhecimento com aumento de espécies reativas de oxigênio (radicais livres), aumenta proteína C reativa (indicativo de inflamação) e aumenta chance de formação de placa aterosclerótica.

Enfim, saiba como e quando comer batata. Cozida no vapor é a melhor indicação, ou cozida com rabada e agrião, por exemplo. Batatas recheadas e protegidas da oxidação com um pouco de azeite e alecrim, também vale a pena.

dica: mancha verde na batata pode indicar presença de solanina. Diferentemente do que as vezes vejo e escuto, solanina é um glicoalcalóide que por clivagem hidrolítica libera um alcalóide, a alcamina. A alcamina é rapidamente absorvida pelo trato digestivo considerado responsável pelas manifestações sistêmicas. A parte da solanina não hidrolizada, produz intensa irritação da mucosa gastrointestinal, com o aparecimento das manifestações gastrintestinais em pessoas mais sensíveis, tipo diarréia e vômito. Neste caso, evite comprar a batata assim ou consumi-la crua.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Novos medicamentos antihipertensivos e nutrição

O FDA (agência reguladora de remédios e alimentos nos EUA) aprovou uma combinação inédita de dois medicamentos para o controle da pressão arterial. Agora, em uma única pílula, estão reunidos os anti-hipertensivos alisquireno (um inibidor direto da enzima renina, conhecido como Rasilez) e o valsartan (um bloqueador do receptor da angiotensina II, conhecido como Diovan). No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda precisa aprovar a nova pílula. A nova droga combinada será indicada para hipertensos que não conseguem manter a doença sob controle com uma única droga ou como terapia inicial em pacientes com níveis mais elevados de pressão arterial. Nutricionalmente isto é importante pois a nutrigenômica/nutrigenética tem buscado compostos que possam agir da mesma forma, ou seja, sendo inibidores de renina, inibidores da ECA, e dos receptores de angio II. Do que tenho visto, a literatura tem apontado no sentido de 3 compostos até o presente momento: vitamina D, cálcio/magnésio e compostos bioativos da proteína do soro do leite (whey protein).

Obesidade e asma

Mulheres com muita gordura abdominal têm mais risco de ter asma, mesmo que não estejam acima do peso. É o que mostra um novo estudo publicado na revista "Thorax". A pesquisa foi realizada com 88.304 voluntárias nos EUA. Entre aquelas com IMC (índice de massa corporal) normal (até 24,9 kg/m2), as que tinham a medida da cintura maior do que 88 cm tiveram três vezes mais chance de ter a doença. A pesquisa também confirmou que a asma é mais frequente em pessoas com sobrepeso e obesas. Quanto maior o peso, maior o risco de asma. A prevalência de asma em mulheres com obesidade leve foi de 10,9%, nas com obesidade moderada, de 13,4%, e nas com obesidade grave, de 18,3%. Segundo os autores, uma das explicações é que a gordura visceral é metabolicamente diferente de outros tipos de gordura e pode produzir compostos que causam inflamação. E a inflamação e suas citocinas, produzidas no tecidos adiposo, parecem induzir à asma. Outra hipótese discutida pelos autores é que a obesidade pode levar a uma redução da função do pulmão pelo fato de o órgão ficar envolto por uma carcaça de gordura, o que faz com que ele não se expanda completamente. Com isso, a pessoa passa a ter uma respiração mais rápida e curta, o que gera mudanças na musculatura dos brônquios e sobrecarrega o pulmão, predispondo à asma.

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Activia presta ou não?

Com o advento da internet, infelizmente frases, afirmativas, questionamentos sem nenhum embasamento cientifico ou "ouvi dizer" pipocam pelos e-mails mundo afora. Um deles diz que Activia é feita com fezes e que a bactéria do activia (bifidobactéria animalis - BA) só faz o intestino funcionar porque irrita o intestino.

Caros amigos:

1 - Uma das formas de fazer o intestino funcionar é causar pequenos estímulos derivados das subtâncias antraquinonicas, presentes em alimentos que fazem parte de qualquer dieta, causando pequena irritação e estímulo vagal.

2 - Activia é feito de leite, portanto possui lactoglobulina que não é digerida pelo organismo humano, independente do tipo de bactéria que lá existe.

3 - Propriedades da BA:

3.1 - Produz alta quantidade de substâncias antagonistas, tipo hemolisinas e bacteriocinas, que combatem bactérias patogenicas.
3.2 - Produzem alta quantidade de exopolissacaridios (EPS). EPS são metabólitos secundários, produzidos principalmente durante a fase estacionária de crescimento do microorganismo, cuja composição química é das mais variadas e complexas, apresentando estruturas e propriedades peculiares. Estes biopolímeros apresentam
propriedades inibitórias contra alguns tipos de vírus e contra tumores.
3.3 - Também há trabalhos mostrando redução de respostas alérgicas e sintomas em doenças autimunes com uso de BA.
3.4 - Também há trabalhos mostrando que na deficiencia de interlecina 10, BA causa duodenite e colite. Ou seja, é preciso preparar o intestino para receber a BA, e quem faz isso são os lactobacilos (ou seja, é preciso associar bifidobacteria com lacto bacilos), a reconstituição da mucosa com nutrientes e CBA´s precisa ser feita associadamente, por isso é preciso consultar com nutricionista e um bom profissional.

Vou cansar de dizer. Para quem prescrevemos, que quantidade, de que forma, em que momento, qual associação fazemos,e por ai vai. O que é doce prazer para uns, é veneno amargo para outros. Activia pode prestar para uns e para outros não.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Proteção contra câncer



Alguns nutrientes podem ativar o fator indutor/induzível de hipóxia (HIF-1) através da via do TOR-S6K , o que leva ao estresse do reticulo endoplasmático, o que favorece a redução do tempo de vida e indução de cancer. Outros reguladores, tais como PHA-4, SKN-1, AAK-2, a DAF-16 e HSF-1 podem funcionar em paralelo com HIF-1 para modular a longevidade baseada na restrição calórica dietética. Redução na HIF-1 prolonga a vida e redução a chance de desenvolvimento de câncer. A leucina por exemplo é um estimulante de mTOR, portanto, estimula aumento de HIF-1 e pode alterar o desenvolvimento celular a longo prazo. Conhecer os nutrientes redutores de HIF-1 parece ser fundamental para controlar o desenvolvimento de câncer. Esta relação parece parcialmente demonstrado pelo trabalho publicado em 22 de maio de 2009 na edição da revista on-line PLoS Genetics que mostra que dietas pobre em calorias, pessoas que comem pouco, tem menor chancer de estimular as vias tumorigênicas.

Riscos do chá verde

Tradução do resumo deste artigo. Ainda não o li integralmente, mas para mostrar alimento/suplemento pode ser benéfico ou maléfico, tudo depende do quanto, quando, como e para quem prescrevemos.

O consumo de extrato de chá verde resulta em osteopenia em ratos em crescimento

O consumo de chá verde pode reduzir o ganho de peso corporal. Muitas desordens estão relacionadas com a obesidade e a massa óssea está positivamente correlacionada com a massa corporal. Assim, o objetivo deste estudo foi determinar os efeitos do extrato de chá verde (ECV) sobre a massa e arquitetura óssea em ratos do sexo masculino com rápido crescimento muscular [C57BL/6 tipo selvagem (WT)] e geneticamente obesos, deficientes de leptina (ob/ob). Os ratos com cinco semanas de idade foram divididos para receber dietas contendo ECV em 0, 1 ou 2% para 6 semanas. O volume e a arquitetura óssea femoral e vertebral lombar foram avaliados por meio de tomografia micro-computadorizada (µCT). Seguindo a análise µCT, a femora foi incinerada para determinar o conteúdo e a densidade óssea. Comparado com ratos WT, ratos ob/ob apresentaram menor femora (P < 0.001), menor volume femoral (P < 0.001), e menor conteúdo mineral ósseo femoral (P < 0.001), e maior volume ósseo na vértebra lombar (P < 001). Nem o genótipo nem o tratamento afetaram a densidade mineral óssea femoral, indicando mineralização normal. O consumo de ECV resultou em um menor comprimento, volume, conteúdo mineral, volume e espessura cortical do fêmur (P < 0.001), assim como menor volume ósseo/ volume tecidual (P < 0.008) e espessura trabecular (P < 0.004) na vértebra lombar. Os resultados indicam que a leptina não é essencial para reduzir o ganho no peso corporal e na massa óssea devido ao ECV em ratos em crescimento e sugeriu que o consumo de chá verde em grandes quantidades pode reduzir a taxa de acúmulo ósseo durante o crescimento.



Referência Bibliográfica:


IWANIEC, U.T.; TURNER, R.T.; KOO, S.I. et al. Consumption of Green Tea Extract Results in Osteopenia in Growing Male Mice. J Nutr; 139(10): 1914-19, 2009.

Diretriz sobre Doença Celíaca

Pessoal,foi aprovada a Portaria 307/2009 do Ministério da Saúde que incluiu no SUS o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença Celíaca e consequentemente inclui na Tebela de Procedimentos, Medicamentos e Órteses, Prótese e Materiais Especiais do SUS a dosagem de Anticorpo Anti-Transglutaminase Recombinante Humana IgA. Na portaria também há aspectos nutricionais.

Para ver e salvar a portaria, clique aqui.

Suplemento de Colostro bovino


O Leite é uma rica fonte de proteínas/peptídios e que têm um papel importante como fonte de nutrientes. O suplemento de soro de leite tem sido largamente estudado pelo conteúdo importante de substâncias relacionadas `a obesidade e estética, por exemplo. Mas, mais recentemente o que tem ganhado força é a possibilidade de suplementação em humanos com colostrol bovino. Muitas poteínas e peptidios bioativos são encontrados no colostro e tenho lido trabalhos que mostram sua utilização no tratamento de câncer, asma, diarréia, hipertensão arterial, trombose, doenças bucais, bem como na má absorção de minerais e imunodeficiência. Os seguintes componentes do leite são de particular interesse nos últimos anos: 1)Lactoferrina (LF) tem ação antibacteriana, antifúngica, antiviral, antiparasitária, antioxidante e atividades antitumorais e imunomoduladora. LF também é um potente inibidor de vários vírus como rotavírus, enterovírus e adenovírus. Lf é resistente à digestão e lactentes amamentados tem demonstrado excretar níveis elevados de Lf fecal. 2) A caseína que além do alto valor biologico, tem se mostrado protetora de bacteremia em alguns trabalhos. Há trabalhos com hidrolisados de caseína com função protetora em animais diabéticos, reduzindo o crescimento do tumor e diminuindo cólicas em lactentes. 3)Presença do Polipeptídeo Rico em Prolina (PRP) que tem se revelado com funções immunotropicas, estimulando linfocitos T e inibição de doenças auto-imunes como a esclerose múltipla. 4) A alfa-lactoalbumina (LA) que demonstra ser antiviral, antitumoral, estimulante de serotonina e anti-stress (reguladora do cortisol). 5) A Lactoperoxidase que mostra propriedades antibacterianas. 6) A lisozima é eficaz no tratamento de periodontites e prevenção da cárie dentária. 7) Alta concentração de IGF-1 e IGF-2, estimulantes da lipólise, síntese de massa magra e reguladores da insulina. 8) Alta concentração de imunoglobulinas, especialmente IgG, e também IgA e IgM, potentes anticorpos. 9) POssibilidade de haver maior concentração de ácido linolieco conjugado (CLA) no colostro do que no leite maduro (ainda tenho lido informações conflitantes). 10) Presença de interleucinas, interferon e linfocinas, todas moduladoras da inflamação e do sistema imune. A grande questão é se realmente os suplementos liofilizados de colostro bovino são orgânicos como prometem os fabricantes, em vacas sadias (ex: este período agora é tipico de desenvolvimento da síndrome respiratória bovina - qual o risco na mudança da composição do colostro??), sem antibioticos ou hormonios e em pastagens livres de defensivos agrícolas. Outra questão que ainda me causa dúvidas é a possibilidade de alergias tardias (5, 10 anos depois do consumo), com caracteristica auto-imune, em virtude da alta concentração de proteínas, peptídios e imunoglobulinas específicas para o metabolismo do ruminante (bezerro), e possivelmente não reconhecidas pelo organismo humano. É continuar lendo muito.

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Inflamação aumenta apetite e obesidade

Isto não é lá uma novidade mas o que gostaria de mostrar é que os estudos com o sistema endocanabinóide estão aumentando cada vez mais. Li agora há pouco que a anandamida (N-arachidonoylethanolamine, AEA) é capaz de estimular a diferenciação de adipócitos, ou seja, torna estas células maduras e capazes de produzir citocinas inflamatórias, provocando hipertrofia do adipócito (cabe mais gordura dentro) e resistência à insulina (leva à diabetes e gordura localizada, por exemplo). Mais, a anadamida estimula os receptores endocanabinoides do tipo CB1, que são fortes estimuladores de apetite e redutores da massa muscular (ou seja, quem perde peso não consegue manter o peso perdido). Convido o amigo leitor a observar que AEA (observe o nome mais acima) é feito de ácido araquidônico, que é um derivado do ácido linoleico, da série w6, fortemente presente nos óleo de soja, milho e girasssol. A inibição do AEA é feia pelo OEA, oleiletanolamina, um derivado do ácido oleico, rico no abacate, azeite de oliva, açaí, canola, castanhas, ovo, entre outros.

Liberação de creatina para atletas

A reunião que definirá a liberação de creatina para atletas e a exclusividade de uso de cafeína só para atletas acontecerá dias 08 e 09/10/2009, na ANVISA, aqui em Brasília. Esta discussão faz parte da consolidação das sugestões recebidas sobre a Consulta Pública n. 60/2008, que dispõe sobre o uso de alimentos para praticantes de atividade física, que deixará de ter este nome, provavelmente passando para alimentos para atletas. Quem desejar ler a proposta na integra, clique aqui.

Como absorver melhor o chá verde?

Tomar chá verde ou seus derivados (camelia sinensis) não é garantia de que seus compostos serão bem absorvidos porque cada pessoa pode apresentar alteração da permeabilidade intestinal, por isso a necessidade de avaliação funcional do metabolismo de cada um. Dois fatores que podem ajudar no aumento da absorção dos compostos presentes na planta camelia sinensis, em especial, a epigalocatequina galato, são a sacarose e a vitamina C, segundo estudo publicado por Catrina M. Peters e seus colaboradores, da Universidade de Purdue, nos EUA. Segundo os autores, a adição destes compostos ao chá melhora a biodisponibilidade das catequinas do chá verde, o que pode ser garantindo acrescentando gotas de limão ao final da preparação do chá ou mesmo fazendo "suchás", por exemplo, chá verde com suco de maracujá e raspas de gengibre ou chá verde com suco de limão e hortelã. Particularmente, não recomendaria a adição de açúcar refinado (sacarose) pelo alto indice glicemico e pelos xenobioticos presentes no mesmo devido aos processos de clareamento e refinamento. Importante lembrar que em média, cada xícara de chá de chá verde tem de 50 a 70mg de polifenóis/catequinas e chocolate amargo tem de 50 a 130mg em cada 100g (outros alimentos também tem catequinas), e boa parte dos trabalhos cientificos publicados mostram resultados com 500 a 800mg diários destes compostos.

Receita com açúcar:

3 colheres de chá de folhas de chá verde ou 3 saquetas
2 limões (tahiti, galego ou 1 médio siciliano)
1 haste de hortelã
1 litro de água
2 colheres de sopa de açúcar
gelo

Faça o chá com 200ml de água a ferver e deixe arrefecer.
Esprema os limões, junte ao chá e adicione o restante à água fria e o gelo

Refrescante e lipolítico.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Proteína hidrolizada na nutrição esportiva

Anteontem saiu uma excelente revisão sobre o uso de proteína hidrolizada para praticantes de atividade física, em especial na capacidade de elevar os aminoácidos séricos, anabolismo proteico muscular, composição corporal, performance no exercício e sintese de glicogênio pos treino. Para baixar o artigo, clique aqui.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Dieta e câncer!!

Será apresentado nos próximos dias o primeiro consenso brasileiro para tratamento do paciente com câncer. Importante que isso ocorra para nortear o tratamento dos pacientes, mas lembrar sempre que a individualização é a melhor forma de abordar um ser humano. Ex: sulforafano do brócolis é um potente inibidor de câncer mas terrível para quem apresenta alterações na tireóide. Veja mais clicando aqui.

Etanol e câncer!!

Não costumo indicar nenhuma bebida que contenha álcool por menor que seja o seu teor. Diversos trabalhos tem mostrado que o etanol reduz a biodisponibilidade de ácido fólico, especialmente no fígado, diminuindo a capacidade de promover metilação adequada do DNA, favorecendo a mudança na estrutura deste componente celular, o que induz a cancer. Além disso, alguns estudos são clássicos em demonstrar que o etanol é um grande estimulador da produção de estrógenos, o que favorece replicação acelerada de células (maior chance de cancer de intestino, mama, fígado, utero, prostata). E uma terceira relação é que o etanol sofre detoxificação de fase I e fase II no fígado. Na fase I é biotransformado em acetaldeído, altamente carcinogênico para o proprio fígado e outras células. Se o etanol não for detoxificado na fase II, acetaldeido acumula. A fase II vai requerer aldeido desidrogenase e NAD, e é possivel encontrar varias pessoas com polimorfismo para esta enzima, ou seja, não consegue fazer a fazer II. Resultado: Agudamente, o efeito tóxico do etanol será a depressão do sistema nervoso central (SNC). Esse fato ocorre, em princípio, devido à ação exercida por este álcool nos sistemas inibitório e excitatório do SNC, onde ele atua potencializando a ação do ácido gama-aminobutírico (GABA), principal neurotransmissor inibitório do SNC, em seus receptores específicos, e ao mesmo tempo inibe a ação do glutamato, um dos principais neurotransmissores excitatórios, nos receptores N-metil-D-aspartato (NMDA). Com isso, ocorre inicialmente euforia e excitação, devido à depressão dos mecanismos de controle inibitório central. Dependendo da concentração, o paciente pode apresentar ataxia, fala arrastada, nistagmo, sedação, irritabilidade, loquacidade, desatenção, estupor, coma e evolução para o óbito, devido à falência respiratória. Cronicamente, a ingestão continuada de álcool etílico poderá produzir tolerância, de modo que, nesses indivíduos, níveis sangüíneos extremamente elevados (300 a 400 mg/dl) não causam sedação aparente e os etilistas incontroláveis não só apresentarão tolerância como também adquirem a dependência física, o que os obriga a manterem um nível sangüíneo constantemente elevado do álcool, começando com uma ingestão diária pela manhã. O acetaldeido produzido cronicamente acaba por provocar lesão de hepatócito e cancer por consequencia.

Cuidado com suplementos manipulados!!

Tenha sua farmácia de confiança e conheça o farmaceutico. Não compre suplemento manipulado que está pronto na farmácia e não mande manipular em qualquer estabelecimento. Confira noticia de hoje, com venda ilegal de suplementos e medicamentos em farmácia no coração de Brasília, em plena Asa Sul. Clique aqui.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Trabalhos assistenciais

Pessoal, Deus me dá muita coisa e só tenho a agradecer e sempre que posso, retribuir o que ele me dá, ajudando o próximo. Dois trabalhos que valem a pena:

1 - gostaria de dar um apoio na divulgação da 4ª Campanha de Doação de Brinquedos para Crianças Carentes da farmácia Essencial (Bsb - DF).De 14 de Setembro a 10 de Outubro estamos recebendo em nossas lojas brinquedos novos de qualquer valor que serão entregues no dia 12 de outubro para as crianças carentes das instituições credenciadas!Todo brinquedo doado pode ser trocado em uma das nossas lojas por um brinde da Essencial, uma necessáire em forma de Mini mochila!Faça uma criança carente Feliz e ganhe um brinde da Essencial! As instituições que serão beneficiadas são até o momento:

- Vida Positiva ( Instituição que cuida de Crianças portadoras do virus HIV - www.vidapositiva.org.br)
- Orfanato Casa de Moisés (Águas Lindas)
- CEAK - (Valparaíso II - faz trabalho com crianças carentes do Lixão de Valparaíso II)
- Centro Social Cantinho do Girassol (Ceilândia)


Obrigada pelo apoio! Contamos com vocês!

Rosângela Koslyk


2 - 8 dia da Alegria - trabalho assistencial realizado voluntariamente pelo motoclube de que faço parte, Pelicano MC (claro, sempre com a participação de vários motoclubes de brasília). O trabalho é muito bonito, além da doação do que for possível, fazemos um trabalho de nos doarmos, em alegria, carinho, uma prece, etc... e nesse ano será em prol de de crianças especiais. Quem quizer detalhes é só acessar a página em www.pelicanomc.com.br


"É dando que se recebe, é perdoando que se é perdoado, e é morrendo que se vive para a vida eterna"

Henrique

terça-feira, 22 de setembro de 2009

ômega-3 em crianças

Queria aproveitar a pergunta e comentário da Marina para escrever sobre este tema. Não existe recomendação para crianças obesas porque quando existe uma patologia (doença), é preciso individualizar e não fazer recomendação geral. Mas existem inumeros estudos que avaliam cituações especificas com adição de omega-3 e seus resultados em crianças. Os trabalhos, na grande maioria, usam de 200mg a 1500mg de EPA/DHA, em diferentes faixas etárias, por tempos diferentes, com diferentes resultados. Há muito trabalho demonstrando bons resultados em tratamento de doenças relacionadas ao cérebro, com autismo, deficit de atenção, memória, cognição, mas gostaria de chamar atenção, que diferente do muitos divulgam por ai, suplementar omega-3 em crianças não é consenso. O que existe de consendo do material da ESPGHAN 2008 é que dieta da mãe precisa ser rica em fontes de ômega-3 para passar este ômega-3 para a criança durante a amamentação e durante os 2 primeiros anos de vida a criança deve receber alimentos ricos em ômega-3, inclusive o leite a ser utilizado após período de amamentação exclusiva deve ser enriquecido com ácido graxos polinsaturados, araquidônico e DHA, pois isso resulta em menor risco para uma série de doenças no fururo.

Quem desejar ler mais, veja estes dois trabalhos abaixo, por exemplo. É preciso ter muito cuidado com o que chamamos de conflito de interesses.

Cognitive and mood effects of 8 weeks' supplementation with 400 mg or 1000 mg of the omega-3 essential fatty acid docosahexaenoic acid (DHA) in healthy children aged 10-12 years. Nutr Neurosci;12(2):48-56, 2009.

Dietary supplementation with n-3 polyunsaturated fatty acids in early childhood: effects on blood pressure and arterial structure and function at age 8 y.
[So] Source: Am J Clin Nutr;90(2):438-46, 2009.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

ômega-3 para gestantes

Desde 2007 existe uma recomendação da Associação Dietética Americana de que todas as gestantes e lactantes devem ingerir ácidos graxos ômega-3, em especial, DHA, em virtude deste ácido graxo ser fundamental para formação neuronal e da visão dos bebês. Segundo a recomendação, o consumo de DHA deve ser próximo a 200mg/dia, e o que os países ocidentais em geral consomem não chega a 150mg/dia. A mesma recomendação mostra que 500mg/dia de EPA e DHA para adultos de uma forma geral, já funciona como preventido de doenças cardiovasculares. O que tendo a discordar da recomendação é que não é viavel consumir fontes de alfa linolênico (nozes, canola, linhça, etc) para ter a presença do DHA pois a conversão destes ácidos graxos no corpo seria muito baixa. Trabalhos do ano passado e deste ano mostram que a taxa de conversão de ALA em EPA pode chegar a 21% (quando a dieta tem proporção 1:1 de w6:w3 ou 16/17% quando esta proporção fica na casa de 5:1, o que é mais viável de se conseguir na prática). A taxa de conversão para DHA é que ficaria na casa dos 1%. Entretanto, a conversão de EPA em DHA acontece pela participação da beta oxidação peroxissomal, o que tem se mostrado muito deficiente nas pessoas. E é este o alvo a ser perseguido e que tenho mostrado nos meus cursos, como estimular a beta oxidação, para não ter que precisar suplementar DHA em altas concentrações, somente em casos necessários. Veja então um cálculo rápido: apesar de valores diferentes em tabelas, usando os menores valores que encontro, em 20g de linhaça (2 colheres de sopa) existem cerca de 5000mg de ALA. Com a taxa de conversão de 1%, temos 50mg de DHA ao dia. Se estimularmos a beta oxidação, essa taxa chega a 3%, ou sejam passamos para 150mg ao dia de DHA. Se for comer peixe 3x na semana, sendo sardinha (mais barata), 80g da carne do peixe, rendem 300mg de DHA por peixe, logo 900mg nos 3 dias (divida por 7, terá mais 130mg ao dia). Ou seja, apenas com um pouco de linhaça e peixe 3x na semana e em pequena quantidade, dá para se conseguir quase 300mg de DHA por dia, no que já teríamos atingido a recomendação para gestante. Se pensarmos em alteração cardiovascular, precisaríamos de 500mg/dia. Mas ainda temos as nozes, o azeite, linhaça em bolos e sucos, óleo de canola para cozinhar, salmão 1x na semana (dia de promoção de carnes, em geral fica mais barato que coxão mole), tudo aumentando o teor de EPA e DHA. Quando estivermos falando de alguém com uma patologia já instalada (ex: hipertrigliceridemia), aí provavelmente será necessária a suplementação.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Suco ou fruta para perder peso?


Essa é uma discussão que se faz necessária. As frutas são alimentos que apresentam inúmeros nutrientes e compostos bioativos importantes, por exemplo, os carotenóides, qu dão cor e tem excelente ação antioxidante, compostos fenólicos, que tem excelente ação antioxidante e antiinflamatório, entre outros.

Mas no caso da obesidade, o que chama atenção é a presença dos acúcares e das fibras. A frutose é o carboidrato principal das frutas e quando sua absorção é rápida,a indução da lipogênese (formação de gordura) é alta, pela liberação excessiva de insulina,pelo estímulo genético de PP2A (fator de transcrição nuclear) e por causar certo grau de resistencia á insulina. Portanto, a fruta deve ser consumida in natura para garantir a presença e ação das fibras, que reduzem a velocidade com que os carboidratos sejam absorvidos. Ou seja, transformar a fruta em suco, reduz a presença de fibras e de sua ação, favorecendo a obesidade. Mas a vantagem de fazer sucos é que os compostos bioativos das frutas se concentram no suco, agindo sinergicamente, ou seja, o poder antioxidante de um suco pode ser maior que o de uma fruta. Além disso, diversos nutrientes para serem absorvidos precisam ser retirados da sua estrutura vegetal (cromoplastos ou cloroplastos), o que pode ser conseguidos pelas espátulas de um liquidificador, garantindo maior absorção destes compostos.

Como fazer então?

1 - Os sucos podem ser incluidos e sempre que puderem, não ser coados.
2 - Os sucos devem ser tomados pela manhã onde o metabolismo dos carboidratos é melhor aceito pelo corpo.
3 - Evitar o máximo possível adicionar açúcar aos sucos.
4 - Adicionar hortaliças sinérgicas às frutas, para garantir que nutrientes não serão oxidados, e aumentar o teor de fibras e compostos bioativos.
5 - Incluir sucos com o objetivo de chegar a 5 porções de fruta ao dia.
6 - Armazenas tampado, em geladeira, em baixas temperaturas e longe da luz, por períodos não superiores a 8 horas (com variação de fruta para fruta).

Os trabalhos mais recentes que fazem este tipo de discussão, também parecem seguir neste sentido. Para ler mais: CASWELL, H. The role of fruit juice in the diet: an overview. Nutr Bull; 34: 273-288, 2009.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Óleo de côco extravirgem e obesidade


Trabalho brasileiro coordenado pelo Prof. Haroldo S Ferreira procurou demonstrar os efeitos do consumo de 30ml de óleo de côco extra virgem em mulheres (comparando com grupo que tomou 30ml de óleo de soja) e sua relação com medidas antropométricas e bioquímicas. Os resultados demonstraram perda de peso, redução do IMC, redução de colesterol e aumento do HDL no grupo que usou óleo de côco. Um dos pontos discutidos no trabalho foi que o óleo de côco conseguiu promovar maior liberação de insulina, o que realmente se vê em vários outros trabalhos que os ácidos graxos saturados, especialmente o ácido laurico (mais prevalente no côco), podem provocar este efeito. Detalhe: a dieta das participantes se tornou hipoglicídica com os óleos, portanto não foram os carboidratos que provocaram liberação da insulina. Um ponto importante a ser observado é que há trabalhos que mostram que os ácidos graxos de cadeia média podem aumentar o colesterol, porém a participação de compostos fenólicos do óleo de côco extra virgem podem ser determinantes nos efeitos positivos nos estudos em que o óleo é investigado. Ou seja, se for para consumir, tem que ser extravirgem, e não TCM puro ou leite de côco (pasteurizado), ou mesmo comer a "carne" do côco, que inclusive é rica em fibras. Importante também foi observar no trabalho que o grupo que usou óleo de soja teve redução significativa de HDL, o que está relacionado ao alto consumo de ácido graxos ômega-6 da soja. Outro fator fundamental, é que as moléculas de triacilgliceróis (triglicerídios) que são incorporadas nas células adiposas são pobres em gordura saturada de cadeia média, e estes ácidos graxos não necessitam de carnitina para serem oxidados nas mitocondrias, portanto se induz á perda de gordura e oxidação desta gordura, reduzindo o IMC e circunferência abdominal.

Queria agradecer ao Prof. Haroldo S Ferreira e sua equipe da Faculdade de Nutrição da Universidade Federal de Alagoas que gentilmente me cedeu o artigo para esta postagem e utilização no Congresso.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

MIF e inflamação do adipócito


A Macrophage Migration Inhibitory Factor (MIF) foi descoberta na década de 60 e foi inicialmente definida como uma substância que inibia a migração de células peritoniais normais, presumivelmente macrófagos. Hoje em dia a MIF é considerada uma citocina reguladora da imunidade inata, principalmente ao nível da resposta inflamatória. Inicialmente, consideravam-se os linfócitos T como a principal fonte da MIF, no entanto, a MIF é uma proteína ubíqua, ou seja, além de ser encontrada na maioria das células do sistema imune (monócitos, macrófagos, células dendríticas, linfócitos B,etc), tem também uma função nos tecidos periféricos, sendo expressa nos orgãos em contato com o meio externo (pulmões, tecido epitelial da pele, trato gastrointestinal etc), bem como em orgãos do sistema endócrino, envolvidos nas respostas de stresse, como o hipotálamo, hipófise, adrenal e mais recentemente tecido adiposo. E ai é que aparecem estudo como o J Koska e cols (2009) que mostraram que a MIF está diretamente relacionada ao tamanho da célula adiposa. A MIF é uma proteína que ativa uma cascata de fatores de transcrição e tradução celular, especialmente envolvendo ERK, MAPK e JNK, que são fatores relacionados à alteração da fosforilação do substrato do receptor da insulina, que leva à chamada resistência à insulina. Ou seja, quanto maior a concentração de MIF, maior o adipócito, maior a inflamação destas células, maior a resistência a insulina. Isto parcialmente explicado porque a MIF quando encaixa nos seus receptores, ativa a fosfolipase A2, envolvendo a libertação de acido araquidonico (w6) pelos fibroblastos, induzindo a formação de eicosanoides inflamatórios. Tratamento: muito extenso, mas passa pela redução da inflamação e maior consumo de ômega-3 (w3).