segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Glúten leva à obesidade!!

Muitos torcem o nariz ao ouvir este título mas é o que acontece na prática quando reduzo ou excluo o glúten (principalmente encontrado no trigo) das dietas dos pacientes. A distensão abdominal reduz em poucos dias e a perda de gordura corporal acaba acontecendo com o passar dos dias. Uma pesquisa recente, brasileira, está comprovando isso.

"Pouco se sabe sobre os efeitos da ingestão de glúten na obesidade. Por isso decidi buscar uma resposta científica para essa questão", é o que afirma a colega nutricionista Fabíola Pires, autora da dissertação de mestrado da Universidade Federal de Minas Gerais “Efeitos da exclusão dietética do glúten de trigo em modelo experimental de obesidade.”

Durante oito semanas, 40 camundongos foram separados em grupos e tratados com suas respectivas dietas. "Eles eram alimentados de forma idêntica, com comida rica em gorduras, como ocorre com a alimentação de obesos humanos, só que uma delas tinha glúten de trigo e a outra, não". O trabalho ainda não foi publicado mas já obtive as primeiras informaçãoes e a conclusão principal é de que aqueles animais que foram tratados com glúten ganharam 25% a mais de peso corporal comparados aos isentos do nutriente. "O grupo que não ingeriu glúten apresentou menor ganho de adiposidade – gordura – na região abdominal, além de melhor sensibilidade à ação da insulina, hormônio importante na manutenção de uma glicemia normal. Mas o melhor resultado foi em relação ao ganho de gordura abdominal: 33% maior nos animais que consumiram o glúten", afirma.

O estudo, ainda inicial e que agora evolui para a tese de doutorado da especialista, demonstra que a retirada do glúten da dieta pode evitar o ganho de peso. “Ou seja, não ingerir os cereais (trigom, centeio, cevada, aveia e malte) que contêm essa proteína pode ter algum efeito na prevenção da obesidade e da resistência à insulina secundária a essa doença. Ainda não sabemos se o glúten se deposita nas células”. Mas já sabemos e muito que a disbiose intestinal, quando associada à inflamação intestinal, com translocação de macromoléculas, citocinas e xenobióticos induzem à inflamação e hipertrofia de adipócitos, tema esse que será discutido em nosso curso de disbiose intestinal no próximo dia 2 de outubro.

Um comentário:

Drª Odeth Oliveira disse...

Oi Henrique! Meu último post foi sobre Fitoterapia e as tentativas de desacreditá-la. Se você aceitar uma sugestão de post, escreva sobre este assunto também para tentarmos reverter a imagem negativa que estão tentando passar sobre a fitoterapia.
Confira: http://odetholiveira.blogspot.com/2010/09/fitoterapia-e-as-tentativas-de.html

Beijos...