segunda-feira, 25 de abril de 2011

ZINCO E CÉREBRO!!


Eu estava fazendo as correções que a banca examinadora solicitou de um artigo de revisão sobre zinco e ao mesmo tempo procurava uns trabalhos para o curso de obesidade de Goiânia, e acabei lendo uma pesquisa muito legal feita com ratos que foram submetidos à Alzheimer (calma, eram ratos transgênicos) e mostrando que o zinco após 12 a 14 meses foi capaz de melhorar os ratos por aumentar a atividade no hipocampo destes animais. E as principais justificativas foram que o zinco age como receptor dos neurônios glutamaérgicos, aumentando a plasticidade e as sinapses nervosas, além de ser um maturador do fator neurotrófico derivado do cérebro (o BDNF), que estimula a neurogênese ou formação de novos neurônios. Vou abordar sobre o BDNF também no curso de óleos essencias agora em maio em São Paulo. Além disso o zinco foi capaz de aumentar a atividade dos complexos mitocondriais 2 e 4 (principalmente o 2), o que evita a disfunção mitocondrial nos neurônios do hipocampo, aumentando a geração de energia e a sobrevida das células nervosas.

Quem usa muuuuito o cérebro precisa de muuuuuito zinco. Juntando com postagem anterior, imagine importância do zinco para desenvolvimento da criança. E envelhecer com saúde, vale para todo mundo. Zinco na veia, com magnésio e complexo B, e umas cositas mas, cérebro feliz da vida.

2 comentários:

Helena Assunção disse...

Só você mesmo!! Que imagina tudo com o cardápio feito. Isso que é profissional que prática o que afirma!! Faz gosto de vê!!

vendasdiskar disse...

Olá Henrique!
Gataria de mais informações sobre este curso de oleos essênciais que você irá ministar,

Izabel