segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Voltando com tudo! Comer ou não carbo?


Os carboidratos são alvo de grande discussão em diversas patologias. Estive pensando nestas pequenas férias enquanto tomava uma batida de côco sem álcool olhando para o mar em Cumbuco (perto de Fortaleza), dois pontos legais que achei importante comentar:

Quem come carboidrato demais pode aumentar a inflamação e o estresse oxidativo. O excesso de glicose pode ser convertido pelas aldolases, se transformando em sorbitol, aumentando a conversão da glutationa oxidada em reduzida, portanto reduzindo a proteção antioxidante mitocondrial, elevando o estresse oxidativo. A hiperglicemia induz a formação de DAG que ativa a PKC e ativa o NFkB e inflama.

Mas quem restringe demais o carboidrato, pode ficar hipertenso. Sim porque uma das vias de produção do óxido nitrico, potente vasodiladator, acontece pela fosforilação da eNOS, fosforilação esta feita pela AKT que por sua vez é fosforilada pela PDK-1, que é estimulado a partir do IRS-1, o substrato do receptor da insulina, que passa a funcionar quando a insulina nele encaixa. E para produzir insulina é preciso consumir carboidratos. Resultado, não comer carboidratos, reduzir demais seu consumo, pode levar à redução na produção de óxido nítrico.

A vida é assim!! Tudo com moderação. Um batidinha de côco de vez em quando pode, de preferência sem álcool e ativando o gasto logo depois, nas águas quentes do Ceará. Espetáculo!!

7 comentários:

Luciane disse...

KKK! É isso aí Henrique, de um paraíso daquele só podem sair bons pensamentos. Bem vindo!

Felinos da Minha Vida disse...

Henrique, gostaria muito de sua ajauda (na medida do possível). Sou A Erica aqui de Fortaleza, sou nutricionista, mas nao tenho muita experiencia. Admiro demais vç e Andréia torres! Olha Henrique , gostaria de saber se existe algum alimento que possa prejudicar ou que possa melhorar a saude de pessoas com MGUS. E como deveria ser uma dieta de forma geral do ponto de vista da nutrição funcional?? Respeito demais esse conhecimento , por isso temo fazer alguma besteira ;Não to encontrando nada sobre dietas pra gamopatia monoclonal e policlonal.
Vç poderia comentar algo?? please.
Ficarei muito grata. Desculpe se estou pedindo demais!
(To pensando, seriamente em nao atender essa pessoa, mas queria tanto ajudar)
Abraços .
Erica

Felinos da Minha Vida disse...

Por favor , Henrique ,gostaria muito de sua ajuda. Vç saberia me informar ,em termos gerais e do ponto de vista funcional, como deveria ser a dieta de um pessoa com MGUS .
Estou pesquisando , mas nao acho nada sobre gamopatia monoclonal e policlonal.
Abraços
Erica
Vç esteve por aque em Fortaleza, heim?
Espero que tenha gostado! Se der me ajuda!!!
Abraços
E Obrigada..

Henrique F Soares disse...

Erica, não tenho experiência com pacientes com estas patologias, nunca atendi e nunca estudei a fundo. Sei que são doenças imunes, a monoclonal está mais relacionada a neoplasias ou entidades potencialmente neoplásicas enquanto as policlonais resultam de processos inflamatórios ou infecciosos. Logo imagino que vc deve estudar estes pontos, tudo que ouver para tratamento de câncer, inflamação e infecção.

Henrique F Soares disse...

Importante nestas doenças me parece ser uma tendência à hipercoagulabilidade, formação de trombos, alta viscosidade sanguinea. E ai vc precisa focar em medidas nutricionais para inibir estes processos.

Henrique F Soares disse...

Coloco o blog à disposição de pacientes e colegas profissionais que tenham experiência no assunto e que possam dividir informações conosco.

Erica Cordeiro disse...

Nossa Henrique , obrigada mesmo por responder minha pergunta, de coração!
Pois é Henrique,acho que poucas pessoas devem ter alguma experiência. Vamos aguardar alguem que possa contribuir com alguma informação!
Forte abraço