terça-feira, 26 de junho de 2012

Revista VEJA: Côco pode ou não pode??

Gordura de côco deve ser consumida com parcimônia como qualquer outra gordura. Meus artigos estão no blog, em estudo que fiz com outra colega nutricionista mostrando que o óleo de côco reduz os triglicerídios, reduz inflamação e circunferencia abdominal. E vários trabalhos mostram que a gordura saturada, presente no côco, aumenta o HDL, e geram energia para atividade física, reduzem a perda de massa muscular, tem ação antifúngica, entre outras funções. Aqui no blog já mostrei vários outros trabalhos científicos. Observar também que o ácido laúrico, principal componente da gordura do côco, por ser de cadeia média, não se deposita nos TAG adipocitários, e é facilmente oxidado nas mitocôndrias por não necessitarem de carreador (carnitina) para entrar nestas organelas. Mas para quem é sedentário, está com alterações hepáticas ou já esteve, como uma hepatite, quem bebe álcool, quem está com esteatose hepática, quem tem hipercolesterolemia familar, não recomendo. Melhor que o óleo de côco, é comer o côco. Mas é lastimável a reportagem da VEJA tentando colocar apenas uma verdade. Há casos e casos, há os que podem comer côco, há os que não podem comer côco. Gordura de côco tem que entrar em substituição à gordura do leite, da gordura hidrogenada e da carne na dieta. Há que se considerar a porcentagem da gordura saturada da dieta. Se o paciente aceitar reduzir estas fontes, associar com fontes de ômega-3 e ômega-9 (ex: cozinha o peixe com óleo de côco e rega com azeite na hora de servir), além de reduzir os carboidratos e o álcool, tratar primeiro o fígado, o côco pode entrar SIM, sem nenhum problema.

8 comentários:

Angélica RS disse...

Alem da revista veja, o progrma bem estar também criticou o coco, so não lembro o dia em que foi exibido.. afffff

Grazi disse...

eu vi esse dia do bem estar, disse que a gordura saturada do óleo eleva o colesterol. Aquele médico que afirmou isso, afirmou ser uma grande enganação e modismo.

Henrique Soares disse...

Grazi, não assista ao programa que vc se referiu, não vale a pena.

Grazi disse...

Já percebi...rsrs
Agora vc dizendo só confirmei!
oBRIGADA!

Grazi disse...

Um pena nossa nutrição na boca de quem n entende!

Anônimo disse...

Eu uso o óleo de coco a mais de 4 anos e não morri, pelo que falaram eu já deveria estar morta...minha sogra tem hoje 85 anos,toma 3 colheres de sopa tds os dias , ela começou a usar junto comigo e tá ótima de saude, até melhor que eu...
Não vejo onde o óleo de coco possa fazer mal...
Abraços
Maria
ms1950@bol.com.br

Camila Lisboa disse...

Oi Henrique!!

Conheci o seu trabalho esse final de semana na Jornada em BH. Adorei as suas palestras, meus parabéns!!!

Estou começando a visitar seu blog agora e achando muito bom também. Já adicionei à minha lista de favoritos...

Depois visite o meu, falo muito sobre o lado energético e espiritual de uma vida saudável, a importância de buscar um equilíbrio e evitar extremos. Acho que vai gostar!! www.beijonopadeiro.com

É isso aí, manteremos contato online!! Sucesso!!!

Abs,
Camila

Unknown disse...

Bem, vindo da VEJA, no mínimo desconfie... Revista tendenciosa, parcial, picareta... Lamento que existam pessoas que ainda se deixem enganar por essa publicação...

Jorge