terça-feira, 28 de julho de 2009

Fosfatidilserina aumenta desempenho no esporte

Li um trabalho interessante em que se comparou o uso de fosfatidilserina (200mg) em atletas praticantes de golfe. O resultado foi um maior número de acertos de bolas nos buracos nas primeiras tacadas pelo grupo suplementado. Além disso, a percepção do estresse foi reduzida também no grupo suplementado.
A primeira explicação e mais tradicional é de que a fosfatidilserina (FS) é formadora de fosfatidiletanolamina (FE) por ação da enzima fosfatidilserina descarboxilase, que é uma enzima mitocondrial e dependente de B6. A FE por sua vez se transforma em fosfatidilcolina (FC), fosfolipidio presente em maior concentração nas membranas musculares e cerebrais, facilitando a entrada de colina nas células destes órgãos, induzindo `a maior formação de acetilcolina, neurotransmissor determinante da atividade muscular, reflexo e percepção de espaço. Portanto, a presença de serina, mais colina mais piridoxina (B6) é fundamental para estas atividades em geral. A outra explicação em que há trabalhos bastante atuais também (inclusive mostro em aulas da pós) é a da redução do cortisol pela fosfatidilserina, com dosagem variando de 300mg até 800mg/dia (dosagens variam conforme o tempo desejado de uso - nutricionistas devem prescrever). Cortisol é um hormônio estressor, hiperglicemiante, redutor de creatina quinase (CK) e gerador de resistência à insulina, péssimo portanto para quem deseja beneficios da atividade física e performance. Fosfolipidios ou seus formadores estão presentes na gema do ovo e na soja por exemplo, e podem ser encontradas em vários suplementos. Mais uma vez o cuidado com a prescrição: 1 - Pois fosfatidilserina, bioquimicamente falando, pode dar origem a ceramidas, que em alta concentração podem levar a resistencia á insulina intramuscular. 2 - Fosfatidilcolina é formadora de diacilglicerol (DAG) por ação de fosfolipase C ou D, que é um ativador de PKC, potente indutor de diabetes, câncer, agregação palquetária e aterosclerose.

5 comentários:

Marcelo Carvalho disse...

HENRIQUE,

Segundo McArdle a lecitina de soja proporciona a maior parte da PS para a suplementação, porém os testes que comprovaram a eficácia da PS sobre o cortisol são derivadas de fontes bovinas. O que vc acha? Vale a pena suplementar com a lecitina de soja pará obter esse benefício ou prescrever direto a PS via suplemento(origem animal)?
Abraço.

Andreia Torres disse...

Sempre muito útil. Bjs!

Henrique F Soares disse...

Marcelo, se vc der uma lida no artigo que fiz o link vai ver na metodologia que a fosfatidilserina é derivada da soja. A maioria dos trabalhos usam derivados de soja para baixar cortisol, veja este artigo também: http://www.pubmedcentral.nih.gov/picrender.fcgi?artid=2503954&blobtype=pdf . Artigos são sempre melhores opções que livros, vc sabe disso.

Andreia, seja bem vinda de volta.

Lorena Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Henrique Soares disse...

Lorena, qualquer prescrição só pode ser feita após avaliação individualizada e presencial do paciente. O código de ética do nutricionista nos proibe na utilização da internet para estes fins. Espero que entenda. Obrigado.