sábado, 20 de março de 2010

Peixe ou carne para prevenir demência?

Os efeitos do consumo de peixes e carnes na demência

Autor(a): Iara Waitzberg Lewinski

Pesquisadores observaram que quanto maior o consumo de peixes, menor a incidência de demência em idosos da América Latina, China e Índia. O consumo de carne, porém, mostrou resultados opostos.

Esta pesquisa, com duração de quatro anos, foi realizada com aproximadamente 15 mil idosos (≥ 65 anos), residentes nas áreas rurais e urbanas do Peru, México, China e Índia, e apenas nas áreas urbanas de Cuba, República Dominicana e Venezuela.

Os participantes responderam a uma entrevista em sua própria residência, sobre suas características sócio-demográficas, estado de saúde (com exame físico e neurológico para diagnóstico de demência, presença de doenças crônicas e hábito de fumar), hábitos alimentares (com perguntas padronizadas sobre o consumo semanal de peixes e carnes).

Após análise dos resultados, foi possível verificar que houve maior prevalência de indivíduos com hipertensão e doenças cardiovasculares nos centros mais desenvolvidos da América Latina, particularmente em Cuba. Contrariamente, o Peru apresentou os índices mais baixos de hipertensão. O país também continha menos fumantes, já em Cuba, na Índia e na China, o hábito de fumar era mais comum entre as pessoas mais velhas.

Dentre toda a amostra, houve 1340 casos de demência. A prevalência da doença variou de 6,3% a 11,7%, sendo os maiores valores encontrados nos países da América Latina. O consumo diário de peixes foi maior entre os idosos da Venezuela (50,4%) e China (29,1%), e menores entre os participantes da Índia (7,6%) e República Dominicana (7,9%). Com relação ao consumo diário de carne, os menores valores foram da Venezuela (15,1%) e os maiores da República Dominicana (54,8%), China (54,4%), Peru (38,9%) e Cuba (36,8%).

Aqueles com maiores nível educacional e poder aquisitivo relataram consumir mais carne e peixe, em todos os países analisados. Não houve associação entre o consumo de peixe ou carne com história de doenças cardiovasculares, diabetes tipo 1 e 2, hábito de fumar ou depressão.

Em todos os países, exceto Índia, houve uma associação inversa entre o consumo de peixes e a incidência de demência (mas não com o grau da doença). O consumo de outros alimentos componentes da dieta não interferiu nos resultados. “Este foi o primeiro estudo com resultados significativos sobre a menor prevalência de demência entre aqueles com maior consumo de peixes em uma amostra populacional de cinco países da América Latina, China e Índia”, dizem os autores, uma vez que as evidências sobre este efeito protetor dos peixes era limitado aos países desenvolvidos.

A associação direta entre o consumo de carne e presença de demência só foi presente entre a população idosa de Cuba e do Peru. Em Cuba ainda houve uma associação significativa entre a gravidade da doença e a quantidade de carne consumida entre as pessoas com demência.

“Não tivemos informações sobre os tipos de peixe e carne consumidos, tamanho das porções e nem a respeito do método de preparo. Estes fatores poderiam ser bastante relevantes. Embora os resultados do estudo sejam válidos, não devem ser generalizados à população mundial, somente para aqueles grupos populacionais com hábitos dietéticos e de vida similares aos dos países estudados”, concluem os autores.


Referência(s)

Albanese E, Dangour AD, Uauy R, Acosta D, Guerra M, Guerra SSG, et al. Dietary fish and meat intake and dementia in Latin America, China and India: a 10/66 Dementia Research Group population-based study. Am J Clin Nutr. 2009;90:392-400.

3 comentários:

Mônica Menezes disse...

OLá henrique!
Estou fazendo um estudo sobre frangos e ahei informações contraditórias sobre o assunto. Uns dizem que a carne de frango é inadequada devido a dministraçào de hormônios, antibióticos e vacinas e outros dizem que o frango cresce rapidamente devido ao ambiente estressante e assim as alterações hormonais decorrentes do aumento de cortisol o faz crescer. De qualquer forma, ambas fornece uma carne de qualidade duvidosa, não? Mas qual a verdade? Você tem algum estudo que mostre qual a verdadeira situação envolvida na produçào de frango. Independe do que seja para mim não faz diferença , pois sou vegetariana e a decisão por não come-los vai além disso! Mas estou planejando uma ação de Educação Nutricional e preciso ter isso bem claro! Agradeço muito se puder me ajudar. Um abraço! Ah! compartilhei no meu blog a sua postagem "Dieta ácida e câncer", pois também abordarei este tema.

Mônica Menezes disse...

Você tem algum estudo que mostre, como é realmente a produção de frango? E o que promove um crescimento extremamente rápido dos mesmos?

Henrique Soares disse...

Não Mônica, não tenho, mas deve haver muitos em revistas de agronomia. Eu tenho experiência com a minha chácara, meus vizinhos produtores, convivo com isso há anos, de família. Se vc entrar em loja que vende ração, vc vera a ração normal e a ração para crescimento rápido. Bj